Adriana Zadrozny
Terça, 22 de agosto de 2017, 00:00 h - Atualizado em 22/08, 00:00 h

Nozes auxiliam na saciedade

Sim: você pode ter menos fome incluindo essas delícias em seu dia a dia.


Adriana Zadrozny : De Bem com a Vida


Foto: Divulgação.

Nozes , avelãs e castanhas, conhecidas na Nutrição como oleaginosas, parecem fazer mais por seu corpo do que estimular (deliciosamente) seu paladar: estudos recentes mostram seu efeito neurocognitivo, ou seja, o impacto que tais alimentos causam em seu sistema sensorial. E sabe qual é a grande surpresa? Nozes ativam no cérebro áreas associadas à regulação de fome e saciedade, produzindo um nível consideravelmente menor de desejo alimentar. O estudo foi publicado há algumas semanas na revista científica Diabetes, Obesity and Metabolism.

 

A pesquisa observou voluntários, portadores de obesidade, que tiveram suas refeições controladas no período em que participaram dos testes. Nos dias em que recebiam nozes em seu pacote alimentar diário (aproximadamente 50 gramas, de acordo com as Diretrizes Americanas para Diabetes), os pacientes relataram sentir menos fome em todos os testes científicos empregados, embora não soubessem o porquê de tal efeito estar acontecendo (eles não foram informados de que o estudo envolvia testar o efeito de saciedade promovido pelas nozes). Os testes consistiram em respostas cerebrais medidas por tomógrafos, mediante a exposição de alimentos a cada um deles. Pacientes alimentados com nozes apresentaram menos estímulo em áreas de fome, o que demonstra que a saciedade estava instalada. É mais ou menos a idéia de nunca ir ao mercado com fome. Se optamos por comprar alimentos sem estarmos famintos, a chance de adquirirmos produtos mais saudáveis, e em menor quantidade, é bem maior.

 

Os resultados deste estudo abrem importantes caminhos. Inicialmente, a compreensão de que alguns produtos contêm substâncias que trabalham a questão do “comer por impulso”. A saciedade bem trabalhada é algo a ser explorado, inclusive em medicamentos futuros. Por hora, entretanto, saber que aquele pacotinho de nozes que carregamos na bolsa, ou no carro, além de gorduras extremamente saudáveis (e de serem deliciosos), ainda pode nos ajudar no controle posterior de como nos alimentaremos.

E isso, por si só, já é uma delícia.

 

Fonte: Beth Israel Deaconess Medical Center. "In a nutshell: Walnuts activate brain region involved in appetite control: First-of-its-kind study reveals mechanism of walnuts' documented ability to decrease hunger". ScienceDaily, 16 August 2017.

 

 





Envie o seu comentário


Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Coluna Conecte-se

Coluna Kids

Coluna Kids

Coluna Kids


Marcos Silva

Marcos Silva

Para ler, ver, ouvir e pensar




Mais lidas
Quedas na terceira idade podem ser mais do que acasos

Quedas na terceira idade podem ser mais do que acasos

Muito comum em idosos, a doença se torna clinicamente perceptível e suas consequências começam a incomodar no dia a dia


Câncer masculino: tratamento precoce faz toda a diferença

Câncer masculino: tratamento precoce faz toda a diferença

Medo, desconhecimento e o preconceito ainda afetam o cuidado com estas doenças


Ômega 3 pode ajudar a reduzir a TPM, mas é preciso ter critério

Ômega 3 pode ajudar a reduzir a TPM, mas é preciso ter critério

Estudos revelam que o consumo de cápsulas de óleo de peixe ajuda a aliviar os sintomas da síndrome. Especialistas orientam a preferir as cáp


Top de Marketing 2017: ADVB-PR anuncia finalistas e celebra recorde de inscritos

Top de Marketing 2017: ADVB-PR anuncia finalistas e celebra recorde de inscritos

Entidade analisou quase 50 cases este ano, com alto índice de qualidade


Festa do Morango 2017 em São José dos Pinhais

Festa do Morango 2017 em São José dos Pinhais

Tradicional festa acontece de 09 a 10 de dezembro


Exposição “Fragrâncias e Formas” encanta público

Exposição “Fragrâncias e Formas” encanta público

A exposição estará aberta até janeiro de 2017



Mais notícias deste colunista


Voltar ao topo©Squarebits Software 2016.