Amanda Lyra
Quinta, 28 de julho de 2016, 00:00 h - Atualizado em 28/07, 17:31 h

João Soto - Arte entre palhetas e panelas

Confira uma entrevista exclusiva com Chef, saxofonista, flautista, cantor e compositor

Amanda Lyra:Cultura
Autor: Redação
Foto: Divulgação.

Eu devia ter uns 12 ou 13 anos  quando ouvi pela primeira vez o som do sax e da voz do João Soto. Ele tocava com o Ivanio Lira então pra mim era uma dupla imbatível, cheia de sonoridade e inspiração, eu criança me encantava com a facilidade que ele tocava, era quase como um truque de mágica. Depois de "pender pro mesmo lado" da música, impossivel não achar mais legal ainda! 

 

Entre sons e temperos

Hoje além do lado musical, ele se destaca na cena curitibana em outra área da arte... A gastronomia!

Então confira uma entrevista exclusiva com o Chef, saxofonista, flautista, cantor e compositor João Soto:

 

VRNews: Como foi seu primeiro contato com a música?

JS: A música foi sempre minha segunda linguagem. Quando eu tinha 3 anos de idade comecei a estudar flauta doce e cantava com meu avô paterno. Ele tocava acordeon e eu cantava modas sertanejas antigas. Com 6 anos de idade fiz meu primeiro show em Araucária, minha cidade natal. Sempre acompanhado de meu avô, fiz shows em clubes, praças e festas. Já mais velho com 14 anos, comecei a estudar saxofone com meu pai. Ele me deu os primeiros passos com o instrumento que toco até hoje.

                                                                      

VRNews: Como você vê a relação de gastronomia e música ?

JS: Faço uma relação total de ambas as artes! Gastronomia e musica tem um elemento em comum. Harmonia. Sem ela não existe nenhuma das duas artes.

 Cito exemplos dessa relação. A música nada mais é que harmonizar elementos rítimicos e melódicos. Na gastronomia faço o mesmo. Só que de uma forma diferente. Cozinhar é também harmonizar sabores, texturas e aromas. Comparo o grave com o agudo, com o doce e o salgado.  Isso é só um exemplo. Ambas as artes mexem com nossos sentidos. Elas estão profundamente ligadas com sensações e emoções.

 

 

Foto: Divulgação.

VRNews: O que você lembra da primeira vez que tocou uma música inteira?

JS: Eu lembro de minha infância. Eu tocava por prazer. Nunca para ganhar dinheiro.  Toquei no sax uma música chamada valsa Seresta de José Eduardo Gramani. Toco essa música até hoje. Ela é linda.

 

VRNews: De lá pra cá, qual a diferença?

JS: Tudo era mais orgânico. Depois que me tornei músico profissional as coisas mudaram muito. A relação é outra. Viver de arte é dureza. Por isso fui buscar outras fontes de renda. Frustrações surgem, nos damos de cara com as nossas limitações. Coisas que na  infância não percebemos e percebemos quando nos tornamos adultos.

Colocamos limitações na nossa arte e isso é cruel.

 

 

 

Foto: Divulgação.

VRNews: Aqueles ídolos que te impressionam sem esforço?

JS: Meu pai, meu avô por tocar tudo de ouvido, João Bosco, Naná Vasconcelos, Egberto Gismonti, Luiz Gonzaga, Pena Branca e Xavantinho, Tonico e Tinoco, Villa Lobos, Bob Dylan, Hermeto Pascoal, Tim Maia. Miles Davis, Milton Nascimento, entre outros.

 

 

VRNews: Quais são os projetos para esse ano?

JS: Este ano faço o lançamento do meu primeiro disco solo. Projeto Tambu sai do forno. Este projeto me lanço como compositor e cantor. Todas as músicas são minhas com a produção de André Prodóssimo. Tenho muito orgulho deste disco.

Também estou com a Banda Caveira Elétrica que é uma banda de cover com uma pegada Rock Brega. Tenho ainda um duo de Dj + sax live. Musica eletrônica com sax. Além disso, faço trabalhos com a banda Denorex 80 e componho para outras bandas.

 

VRNews: O que você diria para o seu “eu” do passado?

JS: Não se limite a nada e a ninguém!

 

 

Foto: Divulgação.

Papo Reto:

1-      Obra prima:  Album Chegada de 2005 do Naná Vasconcelos

2-      Uma paixão: Ser pai

3-      O melhor show: Kiss na pedreira.

4-      Queria fazer um som com: Hermeto Pascoal

5-      Um esporte: Judô

6-      Aquele cover que você ama cantar: Deslises do Fagner

7-      Férias perfeitasPraia de Gaivostas com minha mulher e meu filhote.

8-      Lugar perfeito para compor/tocar: Minha casa

9-      João Soto por João Soto: Esforçado com muita cara de pau.

 



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Amanda Lyra

Amanda Lyra

Clave do som


Gustavo Siqueira

Gustavo Siqueira

Santa catarina Em Foco




Mais lidas
Clube Mulheres de Sucesso Araucária: Taís Cristina Araújo Nascimento

Mostra Paranaense de Dança chega à sua grande final

Mostra Paranaense de Dança chega à sua grande final

Espetáculos de gêneros variados acontecem no Guairão e Memorial de Curitiba recebe o projeto Palco Alternativo


Esbanjando diversidade, Subtropikal anuncia 4ª edição em Curitiba

Esbanjando diversidade, Subtropikal anuncia 4ª edição em Curitiba

Um dos maiores festivais de criatividade do Brasil será realizado entre os dias 03 e 10 de agosto, com dezenas de atividades e convidados de


Obra prima

Obra prima

Itens de coleção são os grandes destaques de projeto com releitura de visual clássico


Siba vem a Curitiba para show no Paiol

Siba vem a Curitiba para show no Paiol

Artista pernambucano é atração do projeto Brasis no Paiol no dia 11 de julho.


Raí Giovani realizará show no Teatro SESI na próxima quarta-feira (26)

Raí Giovani realizará show no Teatro SESI na próxima quarta-feira (26)

A Secretaria de Cultura de São José dos Pinhais, em parceria com o SESI, disponibiliza toda quarta-feira o Teatro para apresentações dos artistas da cidade



Mais notícias deste colunista


Veja também outros colunistas



Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)