Cel Costa Filho
Terça, 25 de setembro de 2018, 08:40 h - Atualizado em 25/09, 08:42 h

Maioridade penal?

Segurança em Primeiro lugar

Cel Costa Filho:De Bem com a Vida
Autor: Redação
Foto:

Nosso sistema legal e penal não está em condições de recuperar ninguém, mas não é justo para o cidadão de bem que paga seus impostos e faz este país funcionar, continuar a ser vitima desse sistema falido, onde para não responsabilizar uma pequena parcela de jovens delinquentes e marginais, toda a sociedade fica exposta a esses criminosos que se escondem e se amparam sobre o manto da impunidade por serem “menores”, enquanto que o cidadão está sendo assassinado, roubado e a cada dia se sentindo mais e mais desamparado e abandonado pelo Estado.

E o pior não é apenas a impunidade dos menores marginais, mas a má influência que a impunidade exerce sobre os demais adolescentes que veem o crime como algo que compensa e que quem o comete não é responsabilizado.

Alguns defensores dos menores infratores ainda não perceberam que em qualquer sociedade independente da riqueza e estrutura do Estado, sempre haverá marginas que serão menores de idade, mas que diferente daqui, respondem pelos seus atos.

Se o jovem com dezesseis anos tem capacidade para escolher quem vai governar o país e o consideram apto e responsável para tal, mas quando tem que responder por atos criminosos, onde muitas vezes vidas são ceifadas, o tratam como se não tivessem condições de responder pelos seus atos e a sua “pena” na maioria dos casos não passa de seis meses de internação para pagar pela vida de um cidadão inocente que teve sua vida “roubada” e sua família inteira destruída.

O jovem de hoje com dezesseis anos de idade não pode ser comparado com um jovem de dezesseis anos da década de 60. Hoje nossos jovens tem acesso a uma gama de informações que muitas pessoas de mais idade não o têm, pois eles vivem conectados e acompanham diariamente tudo o que acontece não só em sua cidade, mas no mundo.

A primeira palavra que um adolescente fala ao ser abordado pela polícia após cometer um crime é “sou Di menor, mão me ponha a mão” e não raro saem da delegacia antes dos policiais que o encaminharam e das vitimas, pois como o Estado não tem estrutura nem capacidade para fazer valer o ECA, é mais cômodo soltá-lo com o pretexto de que não há condições de mantê-lo custodiado e em poucas horas está de volta às ruas para cometer novos crimes sabedor que o Estado o está “protegendo”.

Então novamente pergunto. A maioridade está correta e é justa?

Pense nisso ao escolher seus canditados!

 

Nunca esqueçam PREVENIR é sempre o melhor remédio.

Para dúvidas ou sugestões encaminhe sua mensagem para coronelcosta181@gmail.com

 

 



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Aninha Pazinatto

Jorge Marcondes

Jorge Marcondes

Coluna Papo de Piá




Mais lidas
Enfim, as escolas nascentes?

Enfim, as escolas nascentes?

Mais um texto da série especial


Espetáculo "Em casa a gente conversa" traz Cássio Reis e Juliana Knust

Espetáculo "Em casa a gente conversa" traz Cássio Reis e Juliana Knust

Peça aborda problemas rotineiros do casamento em duas apresentações no Teatro Regina Vogue


II Mostra Intermunicipal Mulheres na Ciência: exposições estão abertas

II Mostra Intermunicipal Mulheres na Ciência: exposições estão abertas

É a segunda vez consecutiva que o município de São José dos Pinhais realiza um evento dessa proporção.


Roger Waters: O gênio criativo do Pink Floyd em Curitiba

Roger Waters: O gênio criativo do Pink Floyd em Curitiba

Combinando clássicos do Pink Floyd, algumas canções novas e trabalho solo, o astro britânico desembarca na cidade no próximo dia 27 de outu


Câncer de Pâncreas é na maioria das vezes é diagnosticada de forma tardia

Câncer de Pâncreas é na maioria das vezes é diagnosticada de forma tardia

Por isso apenas 15 a 20% dos pacientes são candidatos à cirurgia com potencial de cura.


Vida de CHICO XAVIER em superprodução musical  “Um Cisco” estreia no Guairão

Vida de CHICO XAVIER em superprodução musical “Um Cisco” estreia no Guairão

A trama se desenvolve numa estação de trem, onde a vida do médium é narrada desde os seus 4 anos de idade até a sua morte, aos 92 anos.



Mais notícias deste colunista


Veja também outros colunistas



Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)