Cel Costa Filho
Terça, 12 de setembro de 2017, 11:57 h - Atualizado em 12/09, 12:02 h

Mulheres atacadas

Segurança em primeiro lugar

Cel Costa Filho:Cidades
Autor: Redação
Foto: Divulgação.

  

Alguém se sente seguro, realmente?

            A resposta certamente será NÃO.

            Um simples andar de ônibus para as mulheres que era algo tranquilo e seguro o deixou de ser.

Esta semana presenciamos diversas notícias sobre mulheres sendo atacadas no interior dos coletivos, mas não se enganem, esses ataques não começaram agora, são frequentes e infelizmente muito comuns.

A única diferença, é que como um desses ataques gerou repercussão nacional, porque o agressor foi preso, liberado e depois preso novamente e se constatou que o “tarado” tinha muitas passagens pelo mesmo crime e a repercussão do caso fez com que a justiça fosse agilizada e saiu a condenação do agressor em poucos dias, mas de um outro ataque que já estava com seu processo se arrastando.

A realidade é que a maioria das vítimas, por vergonha e principalmente por saberem que não serão tomadas nenhuma providência contra o agressor, acabam por não registrar a ocorrência, e assim como ocorre com a grande maioria dos crimes, as vítimas preferem não perder seu tempo indo até uma delegacia, mas simplesmente agradecem a Deus por continuarem vivas.

O grande problema é que as leis e a postura de nossos governantes e legisladores fizeram nosso país estar nesta situação de fragilidade legal, onde o marginal não tem mais medo de ser preso.

E para nossa tristeza vemos que até integrantes do Ministério Público que deveriam ser os fiscais e defensores da lei agindo em defesa do bandido. Isso ocorreu no Mato Grosso, onde um Promotor de Justiça entrou com uma ação para que PM paguem um salário mínimo para os bandidos que prenderam em flagrante durante o assalto a uma concessionária.

http://www.rdnews.com.br/policia/mpe-quer-que-policiais-indenizem-suspeitos-presos-por-roubo-de-r-20-mil/80633

E é por essas e outras posturas na nossa “justiça” que os criminosos estão cometendo crimes e mais crimes sem nenhum receio de serem presos, pois sabem que se forem presos, o que é raro, serão logo em seguida soltos, e agora ainda podem até pensar em entrar com uma ação contra quem os prendeu, alegando abuso de autoridade e ainda ganhar um extra, além do assalto.

Como dizem, temos que rir, para não chorar.

            Para tirar dúvidas mandem e-mail para coronelcosta181@gmail.com



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Coluna Kids

Coluna Kids

Coluna Kids


Marcos Silva

Marcos Silva

Para ler, ver, ouvir e pensar




Mais lidas
Corrida de rua agita fim de semana em Curitiba

Corrida de rua agita fim de semana em Curitiba

Algumas ruas do Batel, Bigorilho e Seminário serão bloqueadas no domingo pela manhã


 Música e poesia de Adriano Esturilho no Ornitorrinco

Música e poesia de Adriano Esturilho no Ornitorrinco

O autor curitibano faz pocket show no lançamento de seu novo livro, nesta segunda-feira (25/6)


Fernando Cezanoski é eleito presidente do Rotary Club Tijucas do Sul

Fernando Cezanoski é eleito presidente do Rotary Club Tijucas do Sul

Clube de Tijucas do Sul teve cerimônia de admissão em Rotary Internacional


Quer participar ou anunciar no Programa Amanda Lyra?

Quer participar ou anunciar no Programa Amanda Lyra?

Em parceria com Old Black Records, toda semana um programa novinho pra vocês


Precisamos aprender a enterrar nossos mortos

Precisamos aprender a enterrar nossos mortos

O texto a seguir é uma ficção. Mas qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais, não é mera coincidência.


Teatro Sesi recebe o espetáculo Vigiar e Punir, com entrada franca

Teatro Sesi recebe o espetáculo Vigiar e Punir, com entrada franca

Manipulação de bonecos coloca Foucault em cena



Mais notícias deste colunista


Veja também outros colunistas



Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)