Jorge Marcondes
Sexta, 12 de agosto de 2016, 00:00 h - Atualizado em 12/08, 00:00 h

Cerveja Artesanal é um bom negócio?

Por Jorge Marcondes

Jorge Marcondes:Empresarial
Autor: Redação
Foto: Divulgação.

Nos EUA a cerveja artesanal representa algo em torno de 12 a 15% da produção da bebida, sendo que lá também se produz cerveja na garagem das casas, muitas vezes espalhando o calor das panelas e o aroma doce da fermentação por todos os lados. Os americanos também são apaixonados por fazer a própria bebida, desde muito tempo atrás. Muitos gostam, pois a bebida os coloca em contato com os amigos que também produzem, afinal é um orgulho para o cervejeiro caseiro quando as pessoas experimentam e apreciam a sua cerveja, bem como, fazer e degustar é duplamente prazeroso. As primeiras produções de cervejas caseiras por aquelas paragens data do século XVI e início do século XVII, segundo o diretor da Associação Americana de Cervejeiros Caseiros, Garry Glass. Porém, com a promulgação da lei seca em 1920 a atividade foi proibida, só se tornando legalizada novamente em 1978, data em que tornou a popularizar-se.

Atualmente as estimativas contam com pelo menos 1,2 milhões de cervejeiros artesanais naquelas terras, o que quer dizer 1 em cada 200 adultos fazendo a própria cerveja. Muitos destes amantes da fabricação caseira viram neste hobby uma oportunidade de negócio, e daí começaram a se dedicar às receitas e a aumentar a produção. Daí então, para passar a participar de competições locais, regionais e nacionais é um pulo, fato que melhora e muito a qualidade das cervejas produzidas. Não que este seja o único caminho, mas é o que dá certa notoriedade mais rapidamente.

 

De acordo com o Brewers Association, só em 2015 o segmento que conta com quase 3,5 mil microcervejarias movimentou algo em torno de 22,3 bilhões de dólares. Em 2010 elas representavam 5% do mercado cervejeiro dos Estados Unidos, já em 2014 essa fatia passou para 11%, fatos que mostram que lá a produção de cerveja artesanal é uma atividade que está consolidada. Porém, no Brasil ainda é uma prática incipiente e com um vasto campo para expansão. De acordo com a CervBrasil, o nosso país ocupa o terceiro lugar no ranking mundial de fabricação desta bebida, com 14 bilhões de litros produzidos em 2014 e faturamento em torno de 70 bilhões. Já no consumo estamos na 27ª posição mundial, com algo em torno de 66,9 litros por pessoa.

 

Para a Abrabe, a Associação Brasileira de Bebidas, as microcervejarias representam menos de 1% do setor cervejeiro nacional, número que deve dobrar em 10 anos, pois cada vez mais os consumidores buscam por mais sabor e satisfação sensorial, ou seja, uma experiência diferente. A associação calcula que em 2015 eram aproximadamente 200 microcervejarias no Brasil e que se concentravam principalmente nas regiões sul e sudeste. A maioria delas de origem familiar e com uma produção em pequena escala.

 

Ainda segundo a Abrabe, em breve o país deve atingir 2% da fatia do mercado, pois hoje vivemos o que os EUA viveram depois dos anos 80. Temos muito espaço para conquistar, segundo o supervisor de Comunicação da rede de franquia paranaense Mestre-Cervejeiro.com Pedro Paranhos. Atualmente são quase 5.300 produtos decervejarias registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), distribuídos em cerca de 80 tipos diferentes de cerveja, com certa concentração em produtos de trigo e outras do tipo Ale, bem como a nova tendência no mercado, as cervejas ácidas e mais azedas, que por serem bem diferentes acabam despertado a curiosidade do consumidor.

Foto: Divulgação.

MAPA é que concede o registro, além de ser o responsável pelo controle da qualidade das cervejas importadas e das produzidas em solo nacional. Segundo aAssociação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil), a produção brasileira de cervejas alcançou 1,4 bilhões de litros em 2014 e o setor empregou 2,2 milhões de pessoas. Já o número de cervejarias registradas no MAPA passou 397, e estes dados apresentados se devem e muito à abertura do mercado para novas áreas, como as cervejas artesanais. Isso segue uma tendência internacional que reflete uma mudança inevitável desencadeada pela demanda do consumidor, que faz parte de um fenômeno muito maior da indústria alimentícia. Hoje as pessoas buscam produtos locais, orgânicos, diferenciados, que tenham uma história e qualidade. Elas desejam novas experiências.

 

Assim o Brasil ocupa o terceiro lugar mundial em produção de cerveja, ficando atrás de Estados Unidos e China. Este setor corresponde a 2% do PIB do país, segundo a Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil). É a bebida preferida de 64% dos brasileiros para as comemorações. Mas a versão artesanal da bebida ganha espaço no Brasil, chegando a uma produção anual de 70 milhões de litros, fato que reflete a tendência internacional, isso na visão do especialista em cervejas especiaisno varejo e responsável pelo projeto especial de cerveja artesanal Robson Grespan.

 

Então, vamos deixar caros alguns detalhes, pois para a Abrabe, cervejas artesanais são consideradas aquelas produzidas em microindústrias de origem familiar, com instalações que permitem a produção especial e em pequenas quantidades. A produção deve utilizar ingredientes especiais e o produto ser preparado com cerca de 30% a mais de malte em comparação às grandes cervejarias.

 

Bom nesta parte eu não vou entrar em discussão, mas gostaria de lembrar a todos que nos dicionários da língua portuguesa, artesanal realmente refere-se a:

 

http://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/artesanal

ar.te.sa.nal - adjetivo

1.   próprio de artesão (atividade artesanal);

2.   fabricado por artesão (produto artesanal);

3.   que não é industrial (cerveja/pesca artesanal);

4.   figurado (atividade, objeto, etc.) em que não se aplicam os progressos da técnica; pouco sofisticado (as armas eram muito artesanais).

 

http://www.priberam.pt/dlpo/artesanal

ar·te·sa·nal

adjetivo de dois gêneros

1.    Relativo a artesanato.

2.    Que é fabricado por artesão.

3.    Que é feito sem recurso a meios sofisticados ou a técnicas elaboradas ou industriais.

 

http://www.dicionarioinformal.com.br/significado/artesanal/3384/

Significado de Artesanal: que é feito sem recurso ou meios sofisticados ou técnicas elaboradas ou industriais.

 

Exemplo: qualquer atividade feita manualmente ou com a utilização de máquinas consideradas rústicas. (primárias)

 

http://conceito.de/artesanato

O artesanato é a arte e as obras dos artesãos. Um artesão, por outro lado, é a pessoa que realiza trabalhos manuais, sem recorrer a máquinas nem a processos automatizados. Não existem, por conseguinte, duas peças de artesanato exactamente iguais.

 

A comercialização das peças de artesanato costuma realizar-se de maneira direta (entre o artesão e o comprador) ou através de pequenos mercados ou de feiras. Ao desenvolver cada peça à mão, é difícil conseguir o nível de produção necessário para chegar às grandes lojas ou a cadeias de supermercados.

 

Retornando ao nosso tema, uma grande vantagem de se ter um negócio artesanal é a possibilidade de experimentar, criar e manter a qualidade. Artesanalmente é possível se fazer um produto de alta qualidade e, no caso de não dar certo, é só mudá-lo ou não repetir a receita, fato que diminui e muito o prejuízo. Não existem limites para o cervejeiro artesanal, pois ele é totalmente livre para criar e tentar novas combinações de ingredientes e técnicas, dependendo somente da sua imaginação e criatividade. Isso é algo muito mais amplo do que as grandes cervejarias podem oferecer, pois as cervejas realmente artesanais possuem sabores, aromas, cultura e história, o que o consumidor realmente espera encontrar. Só que para chegar a isso, é fundamental que haja pesquisa, planejamento e muita paciência, pois isso tudo não acontece do dia para a noite. Cervejarias artesanais são empresas familiares que fazem o diferente.

 

Uma coisa importante e necessária também é a criação de uma cultura de bebida artesanal, fato imprescindível para o crescimento dos negócios, uma vez que o setor é influenciado diretamente pela demanda de um consumidor que possui um gosto mais apurado. Oferecer cursos de produção de cerveja caseira na panela e de degustações da bebida amplamente, são alguns dos passos fundamentais para este desenvolvimento de cada negócio, que é uma tendência inevitável, mas que também quer dizer o mesmo que desenvolver o negócio de cada um.

Foto: Divulgação.

Realmente hoje muitos consumidores estão cada vez mais exigentes, esperando tomar cervejas diferenciadas, o chamado ‘beber menos, porém beber melhor.

 

Outra coisa que precisa acontecer é a criação de redes de colaboração entre os produtores, apreciadores e fornecedores de cervejas artesanais, bem como de outros atores. Assim, seria possível desenvolver os cervejeiros caseiros, aprimorar seus produtos, integrar de maneira mais rápida e coerente todos os atores deste nicho de mercado, bem como, consolidar a cultura e o setor de negócios. Tenho visto muitas ações isoladas que surtem efeito, mas muito pequeno, para grupos diminutos, precisaria ser algo maior, mais intenso.

 

Hoje muitas pessoas ainda possuem muitas dúvidas a respeito de diversos pontos sobre as cervejas artesanais. Ainda é possível encontrar pessoas que não conhecem os estilos existentes, as características de temperatura e copo ideal para se servir cada estilo de cerveja, e muito menos sobre a harmonização da cerveja caseira com pratos da gastronomia.

 

Portanto, negócios que oferecem cursos e encontros com vários níveis de expertises, eventos e confrarias, pubs, cervejarias, Brew Shops (que oferecem insumos, equipamentos e outros materiais), vendas online para atender a cervejeiros caseiros, atacadistas e apreciadores, são fontes de possibilidades para se gerar esta cultura. Mas estes deveriam trabalhar de maneira integrada para a obtenção de resultados maiores. As Associações de cervejeiros como as ACERVAS tentam fazer este trabalho, mas muitas não conseguem, pois não são administradas como um negócio, principalmente porque são geridas muito boa vontade, mas apenas nas horas vagas dos seus representantes, com recursos limitados e poucas opções de arrecadação de verbas. Contam mais com o empenho dos membros do que com profissionalismo, fazem muitas coisas, mas com parcos resultados.

 

Foto: Divulgação.

Mesmo assim é possível encontrar muitas pessoas que estão abrindo mão de seus empregos para criarem e desenvolverem suas empresas e marcas, focando o mercado da cerveja artesanal. No início é tudo um hobby, só degustação, mas depois pode virar um estilo de vida, que é um caminho sem retorno. Ainda, para quem não deseja empreender, é possível tornar-se jurado de competições, trabalhar como Beer Sommelier, produzir conteúdo, fazer a gestão de projetos de eventos, dentre outras muitas coisas.

 

Vale ainda lembrar, que quanto maior for o apreço do público pelo produto ofertado, mais facilmente ele será vendido. É lógico que isto é mais fácil nas grandes cidades, pois a acessibilidade ao produto é maior. Já em cidades menores é um tanto quanto mais difícil, portanto, se não existir muito trabalho de educação e informação os resultados serão muito mais difíceis.

 

O investimento em conscientização mostra seu resultado quando é possível observar as pessoas perguntando sobre: onde comprar os produtos; e dicas de produção, dentre outras. E este retorno volta na forma de lucro e publicidade. Também, é bastante gratificante quando pessoas que você nunca havia conhecido antes, dizem que ouviram falar do seu negócio, do seu produto, que chegaram até você porque souberam do seu produto e/ou negócio através das ações que você desenvolveu.

Foto: Divulgação.

Porém, este só é um bom setor para aquele que o levar como uma profissão que exige: muita paixão; muita dedicação; muito trabalho; e retorno em longo prazo. Ele exige muito trabalho pesado, braçal, e é para quem estuda muito e gosta de chão de fábrica.

 

Se o requisito de amar a bebida for satisfeito, o ingresso no ramo promete muita realização, pois a perspectiva é que o segmento continue crescendo por vários anos ainda, gerando muitos empregos e oportunidades de negócio. É apenas o começo de uma verdadeira ‘revolução/insurgência’, e quem trabalhar com comprometimento, paixão, conhecimento e ética, certamente colherá muitos e belos frutos.

 

Então, um dos projetos que estamos para lançar na forma de um piloto é justamente a criação de uma rede de relacionamentos e negócios, na qual todos saiam ganhando de formas diversas. Que os apreciadores possam ter experiências diferentes, que possam desenvolver competências analíticas e ainda, possam também aprender a produzir a sua cerveja caseira. Que os produtores iniciantes possam aprender e melhorar seu processo produtivo, que aqueles que já produzem bem possam passar a ousar mais, a criar mais e surpreender a todos com belos produtos.

 

 

 

Foto: Divulgação.

 

Ainda, que os fornecedores e outros parceiros da cadeia produtiva também aprendam e se desenvolvam, bem como, que todos que possuem uma marca possam ter esta marca mais divulgada ainda, bem como, que suas marcas venham a ser vinculadas com o desenvolvimento do potencial dos parceiros, que sejam lembradas e comentadas pela sinergia entre os atores e o resultado que todos conseguem, pelo valor e qualidade que mostraram.

 

Espero ter ajudado alguns a se aventurarem mais neste maravilhoso mundo da cerveja artesanal. E ainda, lembrem-se que podem entrar em contato para maiores esclarecimentos e para bater um papo!!!

 

Cheer!!!



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Mulheres de Sucesso

Mulheres de Sucesso

Mulheres de Sucesso


Vera Rosa

Vera Rosa

Coluna Vera Rosa




Mais lidas
Fernando & Sorocaba trazem turnê “O Chamado da Floresta” a Curitiba

Fernando & Sorocaba trazem turnê “O Chamado da Floresta” a Curitiba

Apresentação acontece no dia 23 de agosto, sexta, na Live Curitiba. Os ingressos estão à venda


SESC oferece programação cultural gratuita em São José dos Pinhais

SESC oferece programação cultural gratuita em São José dos Pinhais

O Sesc São José dos Pinhais está oferecendo uma programação cultural gratuita durante o mês de agosto. Confira as próximas atrações:


Blues e rock embalam domingo da Mercadoteca

Blues e rock embalam domingo da Mercadoteca

Clássicos do rock e do blues são destaque no repertório de João Avelino, músico que anima o domingo (18/8) da Mercadoteca.


Thiaguinho traz nova turnê a Curitiba

Thiaguinho traz nova turnê a Curitiba

Show acontece na Live Curitiba, no sábado, dia 24 de agosto. Os ingressos estão à venda


Com mais de 400 mil bolinhas, Parque Magic Unicorn chega a Curitiba

Com mais de 400 mil bolinhas, Parque Magic Unicorn chega a Curitiba

Atração conta com escorregadores, circuito de atividades e house slide


Cidade de São José dos pinhais terá curso de libras na Segunda (19)

Cidade de São José dos pinhais terá curso de libras na Segunda (19)

Departamento de Educação Especial, abre na próxima segunda-feira (19) inscrições para o Curso de Libras. As inscrições deverão ser feitas no Portal da Prefeitura de São José dos Pinhais



Mais notícias deste colunista


Veja também outros colunistas



Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)