Jorge Marcondes
Sexta, 01 de abril de 2016, 00:23 h - Atualizado em 01/04, 00:33 h

E como as coisas acontecem em uma confraria?

Por Jorge Marcondes

Jorge Marcondes:Empresarial
Autor: Redação
Foto: Divulgação.

Para complementar o texto da semana passada, com dicas de como montar uma confraria, hoje vou apresentar alguns detalhes de uma confraria que aconteceu ontem aa noite na cervejaria MasmorrA em Curitiba. O tema escolhido foi a cervejaria americana Brooklyn, com algumas das versões mais intensas e cmentadas. São cervejas difíceis de se encontrar aqui no Brasil e que se fossem compradas por uma pessoa, chegariam a custar algo em torno de R$ 2.500,00 reais aproximadamente.


Nesta confraria a minha estratégia foi a de degustar as cervejas em dois momentos, sendo que o primeiro seria com elas refrescadas e depois, deixá-las no copo para degustar cada uma delas ao final, com elas já bem aquecidas, ou seja, em temperatura ambiente para verificar as alterações ocorridas.
Antes de começarmos, acho interesante lembrar que para a degustação, alguns detalhes são importantes:
1. Na avaliação é importante observar e anotar o que você vê e o que você ouve!
2. Depois cheire a cerveja desde que ela cheguar na sua mão, pois muitos dos aromas são bastante voláteis, ou seja, perceptívies somente em curto período. Anote desde as primeiras impressões olfativas, se o álcool é perceptível, o lúpulo, o malte e possíveis adjuntos.
3. Em seguida observe a coloração, se é claro, transparente, a espuma, se tem muitas bolhas, seu tamanho, o que acontece ao inclinar ou gira o copo, as partículas suspensas ou depositadas no fundo do copo e se o líquido possui aparência cremosa ou líquida.
4. Cheire novamente, gire o copo para o aroma se soltar. O bserve e anote qual aroma predomina, floral, de ervas, de Caramelo ou de Frutas. Qual o tipo das frutas, se existe algum outro aroma que você já conhece, ou se existem odores desagradáveis. Mas lembre-se que após umas quatro inspiradas, os seus sensors olfativos começam a ficar confusos, prejudicando sua avaliação.
5. Ao beba a cerveja e antes de engolir, distribua ela por toda sua boca para ela ter contato com toda a superfície da boca e da língua. Observe e anote o sabor predominante, se é doce, amargo ou azedo. Se você sentiu álcool no início ou no final do gole, se ele subindo para o seu nariz. Dedique um certo tempo, sem pressa, para perceber as primeiras impressões. Daí beba novamente e observe se o sabor inicial mudou, como fica o final de cada gole, se é doce, se tráz o caramelo, o chocolate, ou as frutas. Se a cerveja é amarga, a sua intensidade.
6. Continue bebendo novos goles, observe se ela é leve para ser bebida em grandes quantidades num dia quente ou é mais encorpada e para dias frios.
7. Tente notar qual é o sabor que ela deixa em sua boca, se é agradável, duradouro ou desaparece rapidamente. É seco, amargo ou Doce?
8. Reflita por algum tempo sobre ter gostado dela, o que mais te impressionou, se recomendaria para seus amigos!
9. Para o caso de você já conhecer um pouco do estilo da cerveja que está degustando, ou ainda, se tiver alguma referência por perto, o quanto esta amostra se aproxima da descrição e das características do estilo? Ela é melhor ou pior que outras do mesmo estilo que você já experimentou. Sempre anotando tudo para consultas futuras.

Bom, então vamos ao que realmente interessa, as impressões sobre cada uma das amostras servidas:
 

Foto: Divulgação.

A primeira cerveja apresentada foi a Improved Old Fashioned, que nos apresenta a potência de seus 12,8% de álcool, de uma cerveja que foi maturada em barril.
Sua cor é marrom escura, com turbidez, sua espuma é bege, quase um café com leite. Apresenta aroma intenso de pimenta do reino, nós moscada, cravo e canela, bem como um azedinho que lembra azeitona, sedo o álcool presente. No sabor, todos os condimentos aparecem também, lembrando quantão. Possui uma boa carbonatação (média/alta), mostrando casca de laranja no retrogosto, bem como um leve coco queimado. É licorosa e esquenta a lingua e a garganta. Quando mais fria a canela acaba remetendo à madeira. Após esquentar no copo, o cravo acentua, embrando sagú.
 

Foto: Divulgação.

A segunda foi a Local 2, uma Belgian Dark Strong Ale com seus 9% de álcool que apresenta uma espuma bege de pouca persistência, um aroma muito leve de levedura selvagem (Brettanomyces) e um aroma suave de álcool. Sua coloração é marrom escura, opaca, trazendo no sabor muita suavidade e doçura. Álcool presente mas sem incomodar demais, um corpo de médio a leve, com carbonatação ma medida. Ao esquentar no copo, quase não se alterou.
 

Foto: Divulgação.

A terceira foi a K Is For Kriek, uma American Wild Ale 10% de álcool e de cor marrom avermelhada, espuma bege clara e pouco persistente. No aroma apresentou um pouco de aromas de Brettanomyces que remetem a estábulo, com um leve aroma de álcool. Na boca mostrou um azedinho característico da cereja. Boa carbonatação e pequenas bolhas que explodem na lingua. Ao esquentar apresentou mais azedinho e um sulfuroso, lembrando banheiro químico.

Foto: Divulgação.

A quarta foi a Quintaceratops, uma Quadrupel de 10,9% de álcool que possui cor marrom escuro e é bem turva, com espuma marrom clarinha de baixa persistência. No aroma apresentou Brettanomyces e muito rum, coco queimado bem leve e um azedinho parecido com cereja. Na boca, apareceu um leve amargor e o azedinho de cereja novamente. Possui corpo médio e álcool bastante evidente. Muito sabor de madeira de bourbon. Carbonatação com bolhas que explodem na boca e a lingua sente o álcool lado e no fundo, bem como o azedinho. Após aquecida, acentuou o álcool, que aparenta cachaça.

 

Foto: Divulgação.

A quinta foi a Cuvée Noire, que é uma Dry Stout de 8,7% de álcool que é preta e opaca, de espuma bege de baixa persistência. Apresentou um leve aroma de Brettanomices e de álcool. Na boca mostrou ser bastante seca e alcoólica, com corpo e carbonatação bem leves. No sabor, o álcool tambpem é bem presente na língua e garganta, lembrando um pouco um Biotônico Fontoura. Após aquecer, aparece um biotônico aguado e um álcool bem acentuado no retrogosto.

 

Foto: Divulgação.


Passando para a sexta amostra da noite, chegamos à Hand & Seal, que é uma Barley Wine com seus 13,3% de cor marrom alaranjada, turva e de espuma branca e pouco persistente. Leve aroma de brettanomices com um azedinho e caramelo. Na boca mostrou-se doce, com madeira e um leve álcool presente. A carbonatação é média e ao ser sorvida mostrou ser bastante licorosa, com uma casca de laranja levemente amarga. Após esquentar continuou a mesma cerveja. Para mim, a melhor da noite!
 

Foto: Divulgação.


Daí chegamos à sétima cerveja, uma Intensified Coffee Stout. É uma Russian Imperial Stout de 8% de álcool, cor preta e opaca, com espuma quase inexistente e bege clara. No aroma mostra um café sem torra bem leve, com álcool bem lá no fundinho, escondido, trazendo também um leve azedinho. Na boca ainda tem o café suave, caramelo azedinho que lembra um pouco a frutas escuras (ameixa). O corpo é de médio a leve e possui carbonatação baixa. No retrogosto vem um leve amargor. Já ao esquentar, mostrou um café um pouco aguado.

 

Foto: Divulgação.

A oitava foi a Black Ops, uma Wood Aged de 11,3% de álcool, com uma cor preta e opaca. A espuma de um bege claro teve média persistência. No aroma tambpem mostrou uma leve brettanomyce com um álcool levemente presente, assim como um leve sulfuroso. Na boca apresentou corpo médio com carbonatação leve e um álcool presente, mas que não incomoda muito. Após esquentar, mostrou-se mais seca e adstringente, com leve azedinho.

 

Foto: Divulgação.

Por último, chegamos à Brooklyn Local 1. Uma Belgian Golden Strong Ale de 9% de álcool, que apresentou-se com um amarelo ouro transparente e uma espuma branca de média persistência. No aroma, leve brettanomyce, frutas amarelas e caramelo com mel bem no finalzinho. Também, mostrou um leve cítrico lembrando abacaxi. Na boca, veio o pêssego e o damasco pronunciado, com um álcool presente mas que não incomoda, no início do gole, que some logo em seguida. Corpo de médio a leve e carbonatação no ponto. Ao esquentar no copo, mostrou mais ainda o damasco, com seu dulçor azedinho. Outra bela cerveja desta noite.

 

Foto: Divulgação.


Vejam, estas foram as minhas impressões, o que pode não refletir a opinião de outras pessoas, pois eramos em 12 pessoas que beberam algo em torno de 50 ml cada uma. Como fiquei mais próximo de uma das pontas da mesa, discuti as avaliações com mais 6 ou 7 pessoas e em alguns casos as divergências foram grandes. Lembrando outros textos, cada um tem a sua memória sensorial própria, seu próprio paladar. Então, é normal que existam avaliações diferentes.

Algumas dstas garrafas estavam guardadas a mais ou menos quatro anos, portanto já bem curtidas e que se modificaram ao longo do tempo. Outros detalhes tambpem relevantes, seriam que ao colocar nos copos, os primeiros aromas já se volatizam, fato que faz com que não sejam sentidos pelos confrades degustadores. Tambpem, como a quantidade é pequena, a espuma não irá refletir a sua total aparência, mas isso não prejudica tanto assim a análise.
 

Foto: Divulgação.


Para finalizar, gostaria de agradecer a estas duas pessoas da foto, o Felipe e a Natássia, que nos proporcionam estas deliciosas confrarias na MasmorrA, com muita competência e afinco, sempre apresentando coisas inusitadas.

Bom, espero que vocês tenham gostado e comecem a praticar. Monte sua ficha de avaliação e vá degustar muitas delícias. Ainda, gostaria de saber se já praticaram e quais foram as suas experiências, mandem suas impressões para mim no e-mail jorgemarcondes@donahermínia.com.br.


Cheers!!!

 

*Por Jorge Marcondes



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Cel Costa Filho

Cel Costa Filho

Segurança em Debate


Juliana Saraiva

Juliana Saraiva

Coluna Juliana Saraiva




Mais lidas
Clube Mulheres de Sucesso Araucária: Ananda Suelem Scorteganha

Cultura no Teatro SESI: alunos da Casa Verde se apresentarão na próxima quarta-feira (19)

Cultura no Teatro SESI: alunos da Casa Verde se apresentarão na próxima quarta-feira (19)

A Secretaria de Cultura de São José dos Pinhais, em parceria com o SESI, disponibiliza toda quarta-feira o Teatro para apresentações dos artistas da cidade (Foto: Divulgação/Dreams grupo de dança)


Ana Carolina comemora 20 anos de carreira com turnê “fogueira em alto mar" em Curitiba

Ana Carolina comemora 20 anos de carreira com turnê “fogueira em alto mar" em Curitiba

Show traz surpresas e conta com músicas de seu novo álbum homônimo, além dos grandes sucessos de sua carreira.


Festa Junina no quintal do James

Festa Junina no quintal do James

O evento acontece no dia 22 e 29 de junho com várias atrações


1ª Curitiba Santé Week

1ª Curitiba Santé Week

A capital paranaense vai sediar festival dedicado ao consumo sustentável a partir do próximo dia 30 de junho


CineMaterna exibirá “Juntos para Sempre” em shopping de Curitiba

CineMaterna exibirá “Juntos para Sempre” em shopping de Curitiba

Na quarta-feira (19/06), às 14h, tem CineMaterna, sessão especial para mamães e bebês com até 18 meses, no Cineplus



Mais notícias deste colunista


Veja também outros colunistas



Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)