Jorge Marcondes
Sexta, 08 de julho de 2016, 00:00 h - Atualizado em 08/07, 00:00 h

Um estilo totalmente Italiano

Por Jorge Marcondes

Jorge Marcondes:Empresarial
Autor: Redação
Foto: Divulgação.

Esta semana também vamos falar de coisas diferentes que pretendemos fazer, são as famosas Italian Grape Ale. Eu e meu parceiro, o Bruxo Matulle já tivemos a oportunidade de degustar a L'Equilibrista da crvejaria Birra del Borgo em uma das belíssimas confrarias da cervejaria MasmorrA. Já fizemos cerveja com mosto de uva, com casca de uva e com o bagaço da uva, e todas ficaram bem interessantes, então está na hora de nos aventurarmos em algo mais aprofundado. Nossas cervejas com uva foram muito apreciadas por quem teve a oportunidade de degustá-las, pois não costumamos repetir receitas, então vamos aos estudos!!!

 

Bom, para começar vamos observar do ponto de vista técnico do Guia BJCP, pois este novo “estilo” se encontra no Apêndice B, “Estilos Italianos”.

Foto: Divulgação.

X3. Italian Grape Ale

Como estilo sugerido, estas cervejas poderiam constar da categoria 29, Fruit Beer.

 

Como impressão geral desta cerveja, por vezes ela é refrescante, mas por vezes é mais complexa, muito em função das diferentes variedades de uvas que podem ser utilizadas.

 

No aroma a característica fica por conta da uva específica que for utilizada, mas que não deve dominar os outros aromas, devendo ser agradável e sem defeitos como a oxidação. O aroma de malte normalmente deve ser suave, enquanto o do lúpulo varia de médio-baixo à ausente. Alguns exemplares podem ter um aroma de baixo a moderadamente baixo de caráter selvagem, que muitas vezes é descrito como sendo de estábulo, terroso ou caprílico, mas nunca tão intenso como nas cervejas Lambic/Fruit Lambic. Nunca deve apresentar diacetil.

 

Na aparência, a cor pode variar do dourado ao castanho escuro, sendo que geralmente ocorre do avermelhado ao rubi devido ao uso de uvas vermelhas. Já a sua espuma, normalmente é branca avermelhada e geralmente apresenta média-baixa retenção. Geralmente a sua transparência é boa, porém é afetada pelo emprego de uva.

 

O sabor permite muitas interpretações, tal como acontece com o aroma. O caráter de uva, quer seja por mosto ou vinho, deve estar presente mas pode variar de intensidade, indo de sutil a médio. A variedade das uvas pode contribuir de formas diversas sobre o perfil de sabor da cerveja, mas em geral são:

-      uvas brancas: dão sabores de frutas de caroço e frutas tropicais, como por exemplo, o pêssego, o damasco e o abacaxi;

-      uvas vermelhas: dão sabores de frutas vermelhas, como por exemplo, a cereja e o morango.

 

Quanto aos maltes, diferentes tipos de maltes especiais podem ser empregados, mas somente aqueles de sustentação e balanceados, porém, sem serem proeminentes ao ponto de ofuscarem a cerveja base. O caráter tostado e/ou de forte chocolate não pode aparecer, mas algumas notas ácidas são comuns e podem ajudar a aprimorar sua drinkability. Sabores amadeirados, juntamente com algumas notas de estábulo, terrosas, e caprílicas, vindos do envelhecimento em barris podem estar presentes, mas nunca devem ser predominantes. O amargor e os sabores de lúpulos são, geralmente baixos.

 

A sensação de boca é média-alta, sendo que a carbonatação aprimora a percepção dos aromas. O corpo delas é geralmente de baixo a médio, sendo que alguma acidez pode contribuir para incrementar a percepção de secura, característico das cervejas estilo Flanders. Exemplares fortes podem mostrar algum aquecimento, mas sem ser quente ou solvente.

 

Foto: Divulgação.

As estatísticas vitais são:

-              uma densidade inicial (OG) que vai de 1.043 a 1.090;

-              uma densidade final (FG) que pode chegar de 1.007 a 1.015;

-              amargor que vai de 10 a 30 IBUs;

-              cor que vai de 5 a 30 SEM;

-              teor alcoólico que vai de 4,8 a 10% ABV.

 

Os pincipais exemplos comerciais são: Montegioco Tibir, Montegioco Open Mind, Birranova Moscata, LoverBeer BeerBera, Loverbeer D’uvaBeer, Birra del Borgo L’Equilibrista, Barley BB10, Barley BBevò, Cudera, Pasturana Filare!, Gedeone PerBacco! Toccalmatto Jadis, Rocca dei Conti Tarì Giacchè.

 

Foto: Divulgação.

As Italian Grape Ale não são consideradas ainda um estilo oficial, mas já foram catalogadas pelo BJCP 2015, pois essa novidade representa um reconhecimento importante para o cenário cervejeiro italiano, que teve um forte crescimento nos últimos anos. Sem dúvida a Itália também é agora um ponto de referência nessa tipologia de cerveja, portanto merece explicação e reflexão. Particularmente sou bem fã das cervejarias italianas Baladin e da Birra Del Borgo, apesar desta última ter sido comprada pela gigante AB-InBev recentemente.

 

Em poucos anos os cervejeiros italianos conseguiram destaque internacional, convencendo os apaixonados por cerveja do mundo inteiro que a idéia de criar uma junção entre a cerveja e o vinho pode trazer resultados muito interessantes. Então, para conhecer um pouco mais dos detalhes dessas cervejas, vamos tentar mostrar mais alguns detalhes das principais cervejas italianas que se encaixam nessa nova tipologia.

Foto: Divulgação.

BB10, BB Evò, BB9 e BB Boom (Birrificio Barley)

Em 2008 Nicola Perra, que é o cervejeiro e proprietário da cervejaria Barley que fica na ilha da Sardenha, criou a BBB10, uma ponte entre dois mundos, sendo eles o da cerveja e o do vinho. Ele usou o mosto fervido da uva Cannonau que é uma das uvas típicas da ilha. O sucesso desta experiência fez com que Nicola experimentasse outras receitas similares nos anos sseguintes e assim nasceram:

-      em 2009 a Toccò alla BB Evò (com mosto de uva Nasco);

-      em 2010 a BB9 (com mosto de Malvasia);

-      e no início de 2015 a BB Boom (com mosto de Vermentino).

 

Foto: Divulgação.

Equilibrista (Birra del Borgo)

Em 2010 o cervejeiro e proprietário da cervejaria Birra del Borgo, Leonardo di Vincenzo apresentou a suaEquilibrista, que usa 50% de mosto de cerveja e 50% de mosto de vinho (inicialmente com a uva Sangiovese). Devido à sua cerveja base ser a Duchesse, utiliza técnicas de Champagne (Remoage e Champenoise) para a sua produção.

 

Limes (Brutòn)

A Limes é produzida pela cervejaria toscana Brùton e usa na sua receita o mosto da uva Vermentino. É uma cerveja que pode ser considerada quase que um verdadeiro vinho Prosecco, pois é fina, é frutada, sendo que no seu final, apresenta uma acidez elegante e desconcertante. Normalmente a qualidade final de uma cerveja é medida em termos das matérias-primas usadas na sua produção, porém, nas Italian Grape Ale é necessário levar essa consideração para o mundo do vinho também.

 

Beerbera (Loverbeer)

Beerbera foi a cerveja que entre 2009 e 2010 mostrou que existia um pequeno produtor muito criativo no Piemonte (norte da Itália). Valter Loverier deu os primeiros sinais disso justamente com a cerveja de inauguração da sua cervejaria, em cuja fermentação espontânea usou mosto de uva Barbera, assim nascia a Beerbera. A cervejaria ainda conta com a cerveja D'uva Beer, outra Italian Grape Ale, agora produzida com mosto da uva Freisa.

 

Ligia (Birrificio Sorrento)

A cervejaria Sorrento, que recentemente deixou de ser “cigana”, aperfeiçoou as suas receitas e aventurou-se em novas produções, sendo que dentre elas está a Ligia, uma Italian Grape Ale produzida com o mosto da uva Furore e que revela um nível qualitativo muito alto.

 

Birrozzo (Birrificio Stavio)

Esta ainda é “cigana” e mostra criações muito bem adequadas às Italian Grape Ales, trazendo varias versões da sua cerveja Birrozzo. Estas cervejas usam e abusam dos ingredientes provenientes da produção de vinhos, obtendo resultados surpreendentes. Chegaram a utilizar espuma da fermentação do vinho com a finalidade de desencadear a fermentação do mosto de cerveja. Usam diferentes uvas em diferentes versões da Birrozzo.

 

Tuscan Pool Party (Olmaia + Harpoon)

A cervejaria americana Harpoon realizou colaborativamente com Moreno Ercolani da cervejaria Olmaia uma receita que usa no final da fervura uvas Sangiovese e Merlot provenientes da California, e assim nasceu a Tuscan Pool Party,

 

Outras Italian Grape Ales

Merecem ser nomeadas, as cervejas:

-          Moscada, que utiliza mosto de uvas do mesmo nome, bem como a Rufiana com uso de mosto de uva Minutolo, ambas da cervejaria Birranova;

-          Tibir que usa mosto de uva Timorasso e a Open Mind que usa mosto de uva Croatina, ambas da cervejaria Montegioco;

-          Jadis que usa mosto da uva Fortana, da cervejaria Toccalmatto;

-          Confusa da Cervejaria Lariano;

-          Bliss Riesling com mosto de Riesling, da Cervejaria Pavese;

-          Filare com mosto de uva Cortese, da Cervejaria Pasturana;

-          e a Perbacco com mosto de uvas aromáticas não especificadas, da Cervejaria Gedeone.

Foto: Divulgação.

Então, este é o contexto da nossa próxima produção especial e diferente! Borá estudar e planejar esta produção etílica em homenagem a Baco!!! Opa, já deu idéia de nome para a cerveja...

 

Curta a página Dona Hermínia cerveja caseira no Facebook e participem do grupo fechado Hermínia Lupulosa, para ficarem por dentro das nossas produções, eventos, cursos, produtos e novidades que lançaremos muito em breve!

 

Cheers!!!

 

Foto: Divulgação.



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Amanda Lyra

Amanda Lyra

Clave do som


Gustavo Siqueira

Gustavo Siqueira

Santa catarina Em Foco




Mais lidas
Clube Mulheres de Sucesso Araucária: Taís Cristina Araújo Nascimento

Esbanjando diversidade, Subtropikal anuncia 4ª edição em Curitiba

Esbanjando diversidade, Subtropikal anuncia 4ª edição em Curitiba

Um dos maiores festivais de criatividade do Brasil será realizado entre os dias 03 e 10 de agosto, com dezenas de atividades e convidados de


Obra prima

Obra prima

Itens de coleção são os grandes destaques de projeto com releitura de visual clássico


Mostra Paranaense de Dança chega à sua grande final

Mostra Paranaense de Dança chega à sua grande final

Espetáculos de gêneros variados acontecem no Guairão e Memorial de Curitiba recebe o projeto Palco Alternativo


Raí Giovani realizará show no Teatro SESI na próxima quarta-feira (26)

Raí Giovani realizará show no Teatro SESI na próxima quarta-feira (26)

A Secretaria de Cultura de São José dos Pinhais, em parceria com o SESI, disponibiliza toda quarta-feira o Teatro para apresentações dos artistas da cidade


Siba vem a Curitiba para show no Paiol

Siba vem a Curitiba para show no Paiol

Artista pernambucano é atração do projeto Brasis no Paiol no dia 11 de julho.



Mais notícias deste colunista


Veja também outros colunistas



Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)