Direito & Cidadania
Quinta, 13 de julho de 2017, 00:00 h - Atualizado em 13/07, 00:00 h

Multiparentalidade: amor em dobro

Por Ana Paula Savaris Mayer

Direito & Cidadania :De Bem com a Vida
Autor: Redação
Foto: Divulgação.

Reza o artigo 227 da Constituição Federal que é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. 

A partir deste artigo muitas inovações conceituais no Direito das Famílias vêm surgindo a cada dia de modo que não podemos nos permitir limitar-se a conceituar família como uma entidade engessada a modelos conservadores, mas fazer respeitar as inúmeras formas de famílias que surgem em conformidade com as relações interpessoais, em consonância com as garantias fundamentais, visando sempre assegurar o melhor interesse da criança.

Dentre os inúmeros modelos de famílias, o reconhecimento da multiparentalidade que quer assim dizer: parentesco constituído por múltiplos pais de modo que o filho estabelece uma relação paternidade/maternidade com mais de um mais e/ou com uma mãe, especialmente, entre os casos mais comuns em que padrastos e madrastas que se tornam pais/mães pelo exercício das funções paternas e maternas ou em substituição a eles, ainda em caso de reproduções medicamente assistidas quando contam com a participação de duas ou mais pessoa no processo reprodutivo.

Tal necessidade surge como forma de reconhecimento no campo jurídico o que ocorre no mundo dos fatos para que pais afetivos e biológicos possam exercer em igualdade de condições o poder familiar em consonância com o parágrafo 6º, do artigo 227, da Constituição Federal que assim prescreve: “Os filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas a filiação”.

Assim, pode-se afirmar que o reconhecimento da multiparentalidade assegura o melhor interesse da criança uma vez que terá a possibilidade por parte dos pais biológicos ou afetivos garantia de melhor “prover a mais completa e adequada garantia dos sujeitos envolvidos, ante os princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana (art. 1º, III) e da paternidade responsável (art. 226, § 7º)” (STF, REx nº 898.060, Rel. Min. Luiz Fux, Pleno, J. 21/09/2016).

 

 

Por Ana Paula Savaris Mayer anapaula@dlmadvogados.com.br



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Aninha Pazinatto

Jorge Marcondes

Jorge Marcondes

Coluna Papo de Piá




Mais lidas
Enfim, as escolas nascentes?

Enfim, as escolas nascentes?

Mais um texto da série especial


Espetáculo "Em casa a gente conversa" traz Cássio Reis e Juliana Knust

Espetáculo "Em casa a gente conversa" traz Cássio Reis e Juliana Knust

Peça aborda problemas rotineiros do casamento em duas apresentações no Teatro Regina Vogue


II Mostra Intermunicipal Mulheres na Ciência: exposições estão abertas

II Mostra Intermunicipal Mulheres na Ciência: exposições estão abertas

É a segunda vez consecutiva que o município de São José dos Pinhais realiza um evento dessa proporção.


Roger Waters: O gênio criativo do Pink Floyd em Curitiba

Roger Waters: O gênio criativo do Pink Floyd em Curitiba

Combinando clássicos do Pink Floyd, algumas canções novas e trabalho solo, o astro britânico desembarca na cidade no próximo dia 27 de outu


Câncer de Pâncreas é na maioria das vezes é diagnosticada de forma tardia

Câncer de Pâncreas é na maioria das vezes é diagnosticada de forma tardia

Por isso apenas 15 a 20% dos pacientes são candidatos à cirurgia com potencial de cura.


Vida de CHICO XAVIER em superprodução musical  “Um Cisco” estreia no Guairão

Vida de CHICO XAVIER em superprodução musical “Um Cisco” estreia no Guairão

A trama se desenvolve numa estação de trem, onde a vida do médium é narrada desde os seus 4 anos de idade até a sua morte, aos 92 anos.



Mais notícias deste colunista


Veja também outros colunistas



Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)