Tacy de Campos
Quinta, 10 de janeiro de 2019, 00:00 h - Atualizado em 10/01, 00:00 h

Cinéfilos e eu

Cinema: dose homeopática ou mata-leão?

Tacy de Campos:Empresarial
Autor: Redação
Foto: Divulgação.

Minha esposa adora ver filmes. Se pudesse, assistiria pelos menos uns três por dia. Seu sonho era ser cineasta. Como fotógrafa, ela tem um olhar todo especial quando se trata de capturar imagens. E depois da edição, a mágica acontece e a foto fica esplêndida. Ela já tem tudo pronto em sua mente, tal como os diretores de cinema. Assim trabalha o fantástico olhar do artista visual.

 

Consequentemente, tenho visto filmes com muito mais frequência desde que começamos a namorar. Anoto num caderno, por hábito, os nomes de todos e contando, já passei de 50 títulos, largamente só nesse ano. Adoro a novidade e o aprendizado, acho o máximo colecionar tantas histórias e se envolver nelas. Mas o ritmo frenético de Chrisce é difícil de acompanhar.

 

Não importa se o filme é bom ou ruim. Meu gozo é viver aquele ritual antes do filme. Pipoca, luz baixa, cama feita, pijama, controle pronto pra dar o play. Depois trocar ideias sobre o roteiro e a moral do diretor, “fritando” madrugada a dentro e dias subsequentes. Como um remédio de ouvido que você pinga no ouvido de uma vez só e sente ele penetrando aos poucos.

 

Lá em casa não é bem assim. Por vezes ainda estou absorvendo os fatos de uma história e, num piscar de olhos, já está rodando outro filme na tela do PC. Se bobear, mais um na sequência. No dia seguinte, mais uma dose. As temáticas costumam ser parecidas para manter a linha de raciocínio, mas isso não ajuda. Ao contrário, essa avalanche cinematográfica me causa um cansaço mental absurdo e muita ansiedade. Acredita?

 

Ao fim da maratona, meu cérebro já virou uma geleia: o protagonista do filme futurístico e do Velho-Oeste se encontram, mas o diálogo deles pertence a um noir francês, o cenário é o do Titanic e a trilha sonora é de Femme Fatale. Os personagens se cruzam aleatoriamente, sem respeitar os elencos ou estórias, contrariando as leis do espaço-tempo. Sabe aquele emoji atordoado do WhatsApp? É assim que fico, zonza.

 

Aprecio viver o sonho e a expectativa, antes dele acontecer. Parece que tem outro sabor quando acontece. Tudo o que você tem é a sinopse e a foto da capa. É o que me basta. Nem vejo o trailer, não quero spoiler. Fico imaginando como serão as imagens, projetando cores, quase sentindo os perfumes. A tecnologia 4D na tenra analogia. Esse frenesi do pré e do pós me parece fundamental. A gente entende o que assistiu. Valoriza o que vê e se satisfaz. Tão necessário como a digestão.

 

Assimilar as coisas é um aprendizado e requer tempo. Calma, repetição e silêncio. O silêncio é necessário para pensar. Ninguém medita na balada ouvindo o bate-estaca. Se assim fosse, talvez as pessoas fossem gênios e o mundo estaria a salvo da ignorância.

 

Os cinéfilos garantem que a quantidade não atrapalha a qualidade. Eu admiro a façanha, mas reconheço que está além do meu alcance. E nem é minha meta. Quem sabe um dia eu desenvolva tal habilidade. Por enquanto, uma coisa de cada vez.

 



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Cel Costa Filho

Cel Costa Filho

Segurança em Debate


Juliana Saraiva

Juliana Saraiva

Coluna Juliana Saraiva




Mais lidas
Paula Lima chega a Curitiba com “Soul Lee”, projeto em que interpreta canções de Rita Lee

Viola Quebrada faz show no Centro Cultural Sistema FIEP

Viola Quebrada faz show no Centro Cultural Sistema FIEP

Um dos principais grupos caipiras do país se apresenta com entrada franca em ação do Sesi Cultura Paraná


Pinhais iniciou a Semana de Jogos de Ginástica

Pinhais iniciou a Semana de Jogos de Ginástica

O evento chega a sua 8ª edição e é realizado pela Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer (SEMEL)


Balé Teatro Guaíra apresenta Plataforma Novos Criadores

Balé Teatro Guaíra apresenta Plataforma Novos Criadores

Apresentação de dança contemporânea acontece no palco do Guairão nos dias 20 e 21 de agosto. A entrada é gratuita e a capacidade é de 100 pessoas por sessão


Mais de 3 mil pessoas participaram da 5° Edição da Caminhada Internacional na Natureza

Mais de 3 mil pessoas participaram da 5° Edição da Caminhada Internacional na Natureza

A 5° edição da Caminhada aconteceu no último domingo (18) e bateu o recorde de participantes comparado às anteriores.


Filme-Concerto comemora os 130 anos de Chaplin

Filme-Concerto comemora os 130 anos de Chaplin

Ação do Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná (IAOSP) exibe “Tempos Modernos” com música ao vivo, no Teatro Positivo



Mais notícias deste colunista


Veja também outros colunistas



Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)