Sexta, 15 de setembro de 2017, 00:00 h - Atualizado em 15/09, 00:00 h

ALIENAÇÃO PARENTAL

Destaque da Semana

Direito & Cidadania :Cidades
Autor: Redação
Foto: Divulgação.

Filhos são as nossas almas

Desabrochadas em flores;

Filhos, estrelas caídas

No mundo das nossas dores!

(Florbela Espanca – poetisa portuguesa)

 

 

            A Lei da Alienação Parental (Lei 12.318/2010) fez sete anos em agosto. O tema desperta enorme atenção por motivos óbvios e por isto mereceu novo trato por este colunista. A alienação acarreta prejuízos e traumas por vezes irreversíveis tanto para o genitor alienado quanto para a própria criança. De outra perspectiva por vezes o próprio agente da alienação precisa de atenção psicológica ou psiquiátrica.

            Segundo o art. 2º da Lei  “Considera-se ato de alienação parental a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente promovida ou induzida por um dos genitores, pelos avós ou pelos que tenham a criança ou adolescente sob a sua autoridade, guarda ou vigilância para que repudie genitor ou que cause prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculos com este.” Rodrigo da Cunha Pereira, Presidente do IBDFAM, destaca que “Alienação parental é fazer da criança objeto de vingança contra o outro genitor”. Bem por isto o Conselho Nacional do Ministério Público expediu, no dia 05 de abril de 2016, a Recomendação 32, dispondo sobre a necessidade de os membros do Ministério Público atuarem de modo firme no combate à alienação parental.

            Como estabelece a própria Lei “a prática de alienação parental fere direito fundamental da criança ou do adolescente de convivência familiar saudável, prejudica a realização de afeto nas relações com genitor e com o grupo familiar, constitui abuso moral contra a criança ou o adolescente e descumprimento dos deveres inerentes à autoridade parental ou decorrentes de tutela ou guarda”. A criança ou o adolescente não podem ser objeto de joguete na disputa entre os pais. As penas da lei são sérias e vão desde a advertência ao alienador até a inversão da guarda e suspensão da autoridade parental. Homem e mulher separam-se, ainda mais nestes novos tempos em que as uniões ditas tradicionais estão cada vez mais transitórias. Eventuais filhos desta união sempre serão filhos de ambos. Merecem respeito e atenção de ambos os pais e familiares, jamais alienação.

 



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Julio Borges

Julio Borges

Artes Marciais


Tiomkim

Tiomkim

Coluna Tiomkim




Mais lidas
App ajuda futuras mamães a comprem artigos para bebês fora do país

App ajuda futuras mamães a comprem artigos para bebês fora do país

Mesmo com Dólar alto ainda vale a pena comprar fora do país; artigos para bebês e crianças podem ser até 80% mais baratos


Couto Pereira recebe jogo solidário com estrelas paranaenses

Couto Pereira recebe jogo solidário com estrelas paranaenses

Com renda destinada para a organização social TETO, a partida contará com nomes como Alex, Lúcio Flávio e Tcheco


Exposição “Elementos e Mobilidade” em exibição no Solar do Rosário

Exposição “Elementos e Mobilidade” em exibição no Solar do Rosário

A mostra permanece aberta para visitação até o dia 26 de julho.


Aeroporto Afonso Pena ganha espaço Break Travel Lounge

Aeroporto Afonso Pena ganha espaço Break Travel Lounge

Inauguração do Break Travel Lounge movimentou São José dos Pinhais


Thiago Lemes lança nova música sobre amor à distância

Thiago Lemes lança nova música sobre amor à distância

Ouça a canção "715" que foi lançada em comemoração ao dia dos namorados


Durante a Copa não permita que seu lado "torcedor" atrapalhe sua imagem profissional

Durante a Copa não permita que seu lado "torcedor" atrapalhe sua imagem profissional

Especialista dá dicas de comportamentos "saudáveis" para adotar agora que os jogos começaram




Mais notícias desta categoria


Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)