Terça, 05 de setembro de 2017, 00:00 h - Atualizado em 05/09, 00:00 h

APOLOGIA AO CRIME

Destaque da Semana

Cel Costa Filho:Cidades
Autor: Redação
Foto: Divulgação.

O que é certo e o que é errado?

            Estamos acompanhando uma novela que está expondo a tranquilidade com que os marginais circulam livremente, armados com fuzis, pistolas e outros tipos de armas, e só quando a personagem policial tem que aparecer é mostrado uma intervenção da polícia nos morros.

            Esta é a realidade nua e crua, onde os policiais que diuturnamente colocam suas vidas em risco não são valorizados, enquanto que os marginais são enaltecidos e seguidos por adolescentes, alguns, vítimas das circunstâncias e outros por simplesmente gostarem do mundo marginal e por uma busca por dinheiro fácil, mesmo que esse dinheiro represente a morte de inocentes. 

            Vivemos um momento triste em nossa sociedade, onde quase que diariamente vemos, policiais mortos, principalmente os policiais militares que estão sendo regularmente executados.

            E se acham que essa violência está restrita ao Rio de Janeiro, estão errados, pois a violência está em todos os locais, até mesmo nos pequenos municípios que até a pouco tempo eram lugares tranquilos.

            O crime organizado está cada dia mais presente em todos os ambientes, e o Estado não consegue fazer nada, perdendo a cada dia uma “luta” contra os marginais.

            E como sempre digo, não adianta querer achar um culpado, que quase sempre essa culpa é colocada na polícia, pois os policiais são apenas cidadãos comuns, que usam uma farda para proteger os demais cidadãos.

            Enquanto vermos marginais cometendo crimes, matando e mesmo que presos em flagrante, saírem rindo da delegacia e dando “tchauzinho” para as câmeras de televisão, e debochando da sociedade, nada irá mudar.

            E o que fazer?   Simples!

            A população tem que escolher melhor seus representantes, e não sair trocando voto por uma cesta básica ou uma promessa de emprego, que geralmente é, para apenas receber o salário e não trabalhar, colaborando ainda mais com a corrupção em nosso país.

            Enquanto vermos e ficarmos calados quando algumas pessoas saem descaradamente em defesa dos marginais, mas em contrapartida não nos posicionamos quando um cidadão de bem é morto, a violência e a segurança nossa e de nossos entes queridos, estará cada vez mais em risco.

            E como diz a frase de Martin Luther King “O que me preocupa, não é o grito dos maus, mas o silêncio dos bons

            Para tirar dúvidas mandem e-mail para coronelcosta181@gmail.com

            



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Coluna Kids

Coluna Kids

Coluna Kids


Marcos Silva

Marcos Silva

Para ler, ver, ouvir e pensar




Mais lidas
Corrida de rua agita fim de semana em Curitiba

Corrida de rua agita fim de semana em Curitiba

Algumas ruas do Batel, Bigorilho e Seminário serão bloqueadas no domingo pela manhã


 Música e poesia de Adriano Esturilho no Ornitorrinco

Música e poesia de Adriano Esturilho no Ornitorrinco

O autor curitibano faz pocket show no lançamento de seu novo livro, nesta segunda-feira (25/6)


Fernando Cezanoski é eleito presidente do Rotary Club Tijucas do Sul

Fernando Cezanoski é eleito presidente do Rotary Club Tijucas do Sul

Clube de Tijucas do Sul teve cerimônia de admissão em Rotary Internacional


Quer participar ou anunciar no Programa Amanda Lyra?

Quer participar ou anunciar no Programa Amanda Lyra?

Em parceria com Old Black Records, toda semana um programa novinho pra vocês


Precisamos aprender a enterrar nossos mortos

Precisamos aprender a enterrar nossos mortos

O texto a seguir é uma ficção. Mas qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais, não é mera coincidência.


Teatro Sesi recebe o espetáculo Vigiar e Punir, com entrada franca

Teatro Sesi recebe o espetáculo Vigiar e Punir, com entrada franca

Manipulação de bonecos coloca Foucault em cena




Mais notícias desta categoria


Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)