Sexta, 24 de maio de 2019, 09:11 h - Atualizado em 24/05, 11:06 h

Cervejas arqueológicas?

Nas últimas semanas algumas chamadas interessantes na mídia me foram passadas e achei que seria importante falarmos um pouco disso.

Jorge Marcondes:Cervejas
Autor: Redação
Foto: Divulgação

A história sendo resgatada, pois em algumas delas o título era mais ou menos assim “padres belgas produzem cerveja medieval cuja receita tem mais de 200 anos”. Já nas outras o título era mais ou menos assim, “Investigadores israelitas apresentam cerveja produzida com leveduras com 3.000 anos”. O que mais chama a atenção é a cronologia dos fatos, uma receita de mais de 200 anos e uma levedura com mais de 3.000 anos. Qual seria a pira deste povo para buscar isso lá no fundo do baú? Eu tenho guardada, a receita e o pote da cerveja que minha avó, a Dona Hermínia, fazia para a gente quando eu era pequeno. No mínimo é nostalgia, mas provavelmente é a necessidade de um resgate histórico, pois só explicamos nossa existência comprovando e comparando as coisas. Só conhecemo-nos na medida em que buscamos o que éramos, vemos o que somos e assim podemos projetar o que provavelmente seremos. Então, sem maiores divagações, vamos a alguns fatos sobre a primeira parte dos temas acima, que é a cerveja, nosso líquido precioso, nosso nectar. Esta estória começa na Bélgica, a 13 quilômetros da capital, em uma abadia que foi construída no ano de 1.128, na cidade de Grimbergen em Flemish Brabant, região norte de Bruxelas. Esta abadia foi fundada por Saint Norbert, e encontrei um vídeo bacana no Youtube, com canto Gregoriano atribuído à abadia, que mostra algumas belas imagens dela. Após ser destruída pelo fogo, ela foi reconstruída em 1629, quando adotou a fênix como símbolo, que pode ser vista nos vitrais da Abadia e nos rótulos das suas garrafas. Ostenta ainda, o mote latim “ardet nec consumitur” (Queimados, mas não destruídos. – por ter sido três vezes atingida por incêndios). Aqui vale lembrar a vocês, que durante séculos as abadias foram uma espécie de “motor” para a economia na Europa. A Abadia também foi saqueada pelas tropas francesas em 1795, fato que gerou a destruição da cervejaria e a perda de receitas. Foi novamente estabilizada com a restauração de 1845, quando a comunidade monástica licenciou a cervejaria Janssens and Peeters para produzir em maior escala as cervejas Grimbergen. Atualmente as cervejas Grimbergen são produzidas pela cervejaria Carlsberg, que produz a linha de cervejas Grimbergen com cinco rótulos: Blonde, Double, Triple, Optimo Bruno e Cuvee L’Ermitage, uma cerveja de inverno com 7,5% Abv. Já a Alken-Maes comercializa as cervejas principalmente no mercado belga e francês.

Foto: Divulgação

A fórmula da cerveja a qual estamos fazendo referência agora, só foi encontrada após uma longa pesquisa (quatro anos) nos acervos do mosteiro, incluindo um difícil trabalho de tradução de manuscritos em línguas antigas. A cerveja fabricada é uma trippel que apresenta 10,8% de teor alcoólico, recebeu o nome de Triple D'Abbaye, e ficará durante cinco meses em maturação em barris de uísque. A nova fábrica funcionará no mesmo lugar no qual a cerveja era preparada antigamente, sendo que uma parte da produção será exportada para a França. Com isso, os monges conseguiram reviveram uma receita muito antiga e ainda incluíram alguns métodos de fabricação selecionados dos manuscritos antigos, para serem utilizados no processo atual. Porém, esta nova cerveja não é totalmente autêntica, pois conforme admite o padre superior (Subprior) Karel Stautemas, ele não acredita que o paladar da população atual não apreciaria muito o sabor da cerveja feita naquela época, conforme contou ao jornal britânico The Guardian e à agência Reuters. Também, para o lançamento desta novidade ele fez um pronunciamento, na presença do prefeito da cidade e de 120 jornalistas e entusiastas. Marc-Antoine Sochon, perito da Carlsberg e que será o mestre cervejeiro desta bebida medieval, explica que antigamente a cerveja não tinha grande sabor, sendo mais parecida com pão líquido. Outra curiosidade interessante é que o método que está descrito em um livro do século 12, mostra que os religiosos daquela época já especificavam o uso do lúpulo ao invés de ervas na fermentação. Vocês lembram que pouco tempo leram um texto aqui falando de Gruit? De acordo com os monges da abadia, os livros que continham a receita utilizada haviam sido removidos da abadia no século 18, quando alguns padres abriram um buraco na parede da biblioteca e removeram secretamente cerca de 300 livros do prédio, antes de um incêndio. Apesar de eles possuírem os livros com as receitas antigas, existia a dificuldade de que ninguém conseguia lê-los. Como citado acima, estes livros estavam todos em latim e holandês antigo (Neerlandês). Porém, foi com a ajuda de voluntários que passaram horas debruçados folheando os livros, que tornou-se possível descobrirem-se algumas listas de ingredientes para cervejas produzidas em séculos anteriores. Os religiosos também descobriram que a receita da cerveja, na época, era constantemente aprimorada, ou seja, a cada 10 anos o procedimento mudava. Naquela época havia falta de aditivos artificiais, então, com o uso de barris de madeira e a exploração de locais específicos em termos de solo (terroir), a situação toda está sendo emulada. Conseguiram levantar até uma lista das cervejas produzidas na época, assim como os tipos de barris e garrafas utilizados. Esta nova cerveja será envelhecida em barris de carvalho francês que antes eram usados para bourbon e uísque, sendo a levedura adicionada para dar uma ligeira referência. Durante esse tempo dentro do barril de madeira, os sabores fenólicos de coentro, frutados e condimentados irão diminuir permitindo que os sabores doces e de baunilha da madeira venham a infundir na cerveja. Assim, a Triple D'Abbaye apresenta notas de malte, baunilha e sabores doces do primeiro barril, que são apoiados por notas sutis e defumadas de um segundo barril, conforme indica a descrição dela. Tudo com uma nota subjacente de tempero e um alto teor de álcool.

Foto: Divulgação

Os monges pretendem produzir 3 milhões de garrafas de 330 ml da cerveja por ano em parceria com a Carlsberg e vendê-la na Bélgica e na França. Quanto a esta união comercial com uma grande cervejaria, Stautemas afirma que os royalties de todas as cervejas Grimbergen irão permitir que os monges vivam no mosteiro, ficam peregrinações e ajudem aqueles que batem à suas portas pedindo ajuda. Assim, agora esta herança e a tradição serão restauradas! Então, assim que concluir um curso de fabricação de cerveja, o padre Stautemas será um dos funcionários cinco ou seis funcionários da nova cervejaria, para começar a produzir edições limitadas lá pelo final de 2020. Além da microcervejaria que está projetada para produzir cerca de 10 mil hectolitros de cerveja, a abadia contará com um bar e um restaurante que serão abertos ao público no final de 2020. O projeto também será financiado pela Carlsberg. Além disso, a abadia também produz queijos, patês, manteigas e pães. Graças à cooperação com a Patroba , a abadia pode apresentar três deliciosos pães, que podem ser comprados nas lojas de departamento de Carrefour, Cora, em alguns Markos e AD Delhaizes:

  • Pão de aveia: preparado de acordo com uma antiga receita da abadia, enriquecida com aveia, malte e que apresenta um sabor completo;
  • Pão 8 grãos: um multigrain com malte extra que dá um sabor poderoso e nascido do rico passado da Abadia de Grimbergen;
  • Pão de bake-off: produzido com aveia-cevada que dá a este pão a firmeza necessária, mas também um sabor refinado.

O queijo da abadia de Grimbergen, assim como a manteiga e o patê são especialmente feitos pela fábrica de queijos Lindenhof. Entre os diferentes tipos de queijos possíveis de se encontrar no mercado, existem:

  • Brabant em cubos com ervas;
  • Grand Cru - semi-duro extra maturado; Para maiores informações clique em: http://www.kazenvanbijons.be/. Espero que tenham gostado desta inserção ao mundo da arqueologia etílica. E vamos aguardar a chegada de amostras deste que parece ser uma deliciosa cerveja. Cheers!!!



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Julio Borges

Julio Borges

Artes Marciais


Tacy de Campos

Tacy de Campos

Coluna Tacy de Campos




Mais lidas
Marcio Karpinski é empossado presidente do Rotary Afonso Pena

Brasileiros embarcam para Mundial de Muaythai

Brasileiros embarcam para Mundial de Muaythai

Nessa semana embarcam para Bangkok,Tailândia os atletas classificados para o maior campeonato mundial de Muaythai pela IFMA.


Peita lança campanha “Rime como uma garota”

Peita lança campanha “Rime como uma garota”

O intuito da marca-protesto Peita é oferecer ferramentas de enfrentamento para mulheres lutarem contra as opressões diárias


Férias dão fôlego para reta final dos estudos

Férias dão fôlego para reta final dos estudos

Estudar ou descansar: saiba o que dizem os especialistas sobre o assunto


Duofel, Carlos Malta e Robertinho Silva pela primeira vez em Curitiba

Duofel, Carlos Malta e Robertinho Silva pela primeira vez em Curitiba

Projeto Duo+Dois é atração do projeto Brasis no Paiol 2019 no dia 15 de agosto


Teatro SESI SJP promove  Mostra de Inverno nesta quarta-feira (17)

Teatro SESI SJP promove Mostra de Inverno nesta quarta-feira (17)

Trazendo dança, teatro e canto em um grande encontro artístico em São José dos Pinhais




Mais notícias desta categoria


Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)