Segunda, 26 de fevereiro de 2018, 15:26 h - Atualizado em 26/02, 16:07 h

Dia mundial das doenças raras: saiba o que é atrofia muscular espinhal

Ultimamente, muito tem se falado sobre as doenças raras. Uma em especial tem chamado muito a atenção: a AME, atrofia muscular espinhal. Mas o que é?

Dayana Cardoso :De Bem com a Vida
Autor: Dayana Cardoso
O conteúdo desta matéria é de total responsabilidade do autor.
Marcele Mendes - Estudante de Direito - AME 3 - Rio de Janeiro
Marcele Mendes - Estudante de Direito - AME 3 - Rio de Janeiro - Foto: Divulgação.

Há dez anos, o dia 29 de fevereiro foi escolhido para marcar o Dia Mundial das Doenças Raras, justamente por ser um dia raro. Nos anos não bissextos, como 2018, a data é lembrada um dia antes. Ultimamente, muito tem se falado sobre as doenças raras. Uma em especial tem chamado muito a atenção: a AME, atrofia muscular espinhal. Mas o que é - e ainda mais importante - quais os sinais que indicam a manifestação dessa doença?

A AME é uma das mais de 8 mil doenças raras conhecidas no mundo e afeta aproximadamente de 7 a 10 bebês para cada 100 mil nascidos vivos. No Brasil, não há um levantamento que indique o número exato de pessoas afetadas pela doença.

A AME pode começar a se manifestar em diferentes fases da vida e, quanto mais cedo aparecem os primeiros sintomas, maior é a gravidade da doença. Apesar de ser uma única doença, a AME é dividida clinicamente em tipos, com base no início dos sinais e sintomas e nos marcos motores atingidos pelos pacientes. Todos os sinais e sintomas têm como base a fraqueza, atrofia (diminuição de tamanho) e hipotonia (flacidez) musculares. Pacientes com AME Tipo 0 apresentam os sintomas já ao nascimento ou na primeira semana de vida, e geralmente têm sobrevida de semanas ou meses. Pacientes com AME Tipo 1 desenvolvem a doença até os seis meses, e geralmente não são capazes de sentar ou de sustentar a cabeça. Essas crianças apresentam dificuldades respiratórias graves, e dependem de cuidados intensos diários. Pacientes com AME Tipo 2 apresentam os primeiros sintomas entre sete e dezoito meses de vida, e geralmente são capazes de sentar, mas não de andar. As principais complicações observadas nessas crianças são de ordem motora e ortopédica, como deformidades graves na coluna. Pacientes com AME Tipo 3 têm início da doença na infância, após dezoito meses de vida. Essas crianças apresentam menor acometimento e são capazes de andar, porém podem perder essa habilidade com a evolução da doença. Pacientes com AME Tipo 4 desenvolvem a doença quando adultos, e geralmente apresentam fraqueza de membros inferiores que pouco interfere com suas atividades.

 

A AME é uma das doenças que mais matam crianças ao redor no mundo. É necessário que exista mais informação e conscientização das pessoas. O diagnóstico nem sempre é fácil, hoje temos uma medicação de alto custo financeiro e infelizmente a maioria não tem acesso. Precisamos que as doenças raras ganhem visibilidade no Brasil para que tenhamos mais investimento em pesquisas médicas e principalmente para que o índice de mortalidade das nossas crianças diminua. Essa luta é de todos nós- Marcele Mendes (RJ)- Estudante de Direito - portadora de AME 3

A AME é uma doença neuromuscular genética rara, com padrão de herança autossômico recessivo. "A pessoa com AME apresenta dificuldade para produzir a proteína de sobrevivência do neurônio motor, também conhecida como SMN. Essa proteína é essencial para a manutenção das células encarregadas do desenvolvimento e controle dos nossos músculos, os neurônios motores localizados na medula", esclarece Juliana Gurgel-Giannetti, médica neuropediatra associada à Sociedade Brasileira de Neurologia Infantil. As pessoas com AME apresentam um defeito no gene SMN1, principal responsável pela produção da proteína SMN. "Com o déficit na produção de SMN, ocorre a degeneração dos neurônios motores na medula espinhal e, por consequência, músculos controlados por esses neurônios têm seu desenvolvimento e função prejudicados. Isso se reflete em atrofia, fraqueza e hipotonia musculares que, em última análise, causam perda de função motora. Essa perda prejudica seriamente a qualidade de vida do paciente, muitas vezes impedindo-o de realizar ações básicas, como respirar, se alimentar e se movimentar", detalha a especialista.

Sinais e sintomas – Os principais sinais da doença são fraqueza muscular progressiva, simétrica (nos dois lados do corpo); hipotonia e atrofia muscular; dificuldade em controlar e movimentar a cabeça, sentar, engatinhar e caminhar; respiração e deglutição também podem ser afetadas. A AME não afeta a cognição, ou seja, a atividade intelectual é totalmente preservada. O diagnóstico de AME só é feito de forma conclusiva através de um teste genético específico.

Por se tratar de uma doença que atinge diversos músculos e funções do corpo, especialistas sugerem uma abordagem multidisciplinar de cuidados, que pode ajudar a melhorar a saúde e a qualidade de vida dos pacientes de forma geral. Dentre os diversos tipos de cuidado, destacam-se as abordagens respiratórias, nutricionais e motoras. "Um dos principais grupos musculares atingidos é aquele relacionado à respiração. Por isso, desde cedo é importante monitorar e fortalecer a função respiratória, assim como manter um equilíbrio nutricional adequado", salienta a especialista Juliana Gurgel-Giannetti.

 

 

 

Referências

[1] Lunn MR, Wang CH. Spinal muscular atrophy. Lancet 2008;371:2120–33. doi:10.1016/S0140-6736(08)60921-6.

[2] Farrar MA, Kiernan MC. The Genetics of Spinal Muscular Atrophy: Progress and Challenges. Neurotherapeutics; 2015; 12:290–302.



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Coluna Kids

Coluna Kids

Coluna Kids


Marcos Silva

Marcos Silva

Para ler, ver, ouvir e pensar




Mais lidas
Fernando Cezanoski é eleito presidente do Rotary Club Tijucas do Sul

Fernando Cezanoski é eleito presidente do Rotary Club Tijucas do Sul

Clube de Tijucas do Sul teve cerimônia de admissão em Rotary Internacional


Quer participar ou anunciar no Programa Amanda Lyra?

Quer participar ou anunciar no Programa Amanda Lyra?

Em parceria com Old Black Records, toda semana um programa novinho pra vocês


Precisamos aprender a enterrar nossos mortos

Precisamos aprender a enterrar nossos mortos

O texto a seguir é uma ficção. Mas qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais, não é mera coincidência.


Teatro Sesi recebe o espetáculo Vigiar e Punir, com entrada franca

Teatro Sesi recebe o espetáculo Vigiar e Punir, com entrada franca

Manipulação de bonecos coloca Foucault em cena


MS Trade Show acontece em agosto em Curitiba

MS Trade Show acontece em agosto em Curitiba

Feira exclusiva para os segmentos custom, performance e acessórios automotivos com objetivo de networking, lançamentos e geração de negócio


Duo Santoro, José Staneck e Ana Letícia Barros brilham na Argentina no fim de junho

Duo Santoro, José Staneck e Ana Letícia Barros brilham na Argentina no fim de junho

Gêmeos violoncelistas, gaitista e percussionista apresentarão o espetáculo “Do Clássico à Bossa Nova”, em Córdoba, no domingo, 24 de junho,




Mais notícias desta categoria


Gabriel Oliveira

Gabriel Oliveira

Destaque da Semana

Sábado, 09 de junho de 2018, 00:00 h



Dia Internacional Contra a Homofobia

Dia Internacional Contra a Homofobia

É melhor começarmos a nos importar com isso

Quarta, 06 de junho de 2018, 12:55 h

Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)