Quarta, 08 de maio de 2019, 00:00 h - Atualizado em 08/05, 00:00 h

Espetáculo As Cidades Invisíveis tem sua estreia adiada

A peça teatral As Cidades Invisíveis do Agora Coletivo foi obrigada a adiar sua temporada devido a uma súbita desautorização.

Fernando de Proença : As Cidades Invisíveis
Autor: Fernando de Proença
O conteúdo desta matéria é de total responsabilidade do autor.
Foto: Divulgação

O espetáculo tinha estreia programada para esta sexta-feira (26) no Museu de Saneamento da SANEPAR, localizado no bairro do Tarumã. A decisão da empresa em cancelar a cessão do espaço chegou em cima da hora e sem justificativa. 

 

Com as devidas liberações para temporada e ensaios, o grupo já vinha trabalhando no espaço há mais de um mês e realizou grande parte da composição dramatúrgica e cênica especificamente para o local. A peça aconteceria em uma trajetória pelo reservatório de água desativado e seu entorno. 

 

Em conversa com diferentes setores da companhia de saneamento, a produção do Agora Coletivo tentou entender quais eram os motivos que levaram à decisão de cancelamento do uso do espaço. O grupo expôs que o projeto não poderia ser realocado sem prejuízos artísticos e financeiros e propôs se adequar a necessidades da SANEPAR. A empresa, no entanto, respondeu sempre que as motivações eram internas e, não as revelando, manteve o impedimento.

 

Agora, a obra está em processo de transformação para ocupar o Teatro Cleon Jacques a partir do dia 10 de maio, onde permanecerá em cartaz por três semanas em novo formato. Enquanto isso, o Agora Coletivo, visando obter uma justificativa formal da companhia de saneamento, protocolou nesta quarta-feira (24/04/2019), uma notificação extrajudicial perante a SANEPAR, expondo à companhia os transtornos de ordem administrativa, operacional e financeira decorrentes do cancelamento, de última hora, da autorização anteriormente firmada por aquela instituição.

 

 

Foto: Divulgação

Sobre o espetáculo

 

Diante de tempos tão inflamados, com ideais tão díspares entre as pessoas, como conviver com as diferenças em um mesmo espaço, casa, cidade, estado, país? Ainda mais, quando a delicada abertura ao outro, que é própria da arte, continua a ser compreendida como espaço para subjugar e exilar, como aconteceu com este espetáculo? 

 

As Cidades Invisíveis traça uma narrativa que beira a linguagem dos sonhos, com imagens misteriosas, enigmáticas, e faz uma analogia entre as “cidades” e as atrizes que formam o elenco do trabalho. Inspirada na personalidade de cada uma delas, a peça é uma trajetória por suas histórias autobiográficas. 

 

O processo teve como ponto de partida o livro homônimo de Ítalo Calvino e caminhadas por ruas do centro histórico de Curitiba, cidade que também tem aspectos presentes na dramaturgia. A noção de “território” como identidade e de “corpo” como território delineia um discurso que transita entre as ideias de vida e morte, viagem e morada, convite e expulsão, invasão e acolhimento. Agora, o trabalho assume, em seu percurso narrativo, também sua própria trajetória de remoção do espaço, dando foco ainda às diversas nuances das subjetividades das artistas que o compõem. 

 

Adotando o onirismo como linguagem, o roteiro desenvolve uma linha narrativa singular, diferente de montagens tradicionais. Em cena vemos relatos autobiográficos e algumas digressões que carregam nuances de comicidade, crítica, ironia e também composições dramatúrgicas e visuais que podem sensibilizar o espectador em outros níveis. Quem aceitar o convite para visitar As Cidades Invisíveis conhecerá o resultado de um processo de criação intenso que toca diferentes áreas do conhecimento, como a filosofia, a psicologia, a espiritualidade, a arquitetura, a medicina holística e, claro, a arte. 

 

Falar de cidades de forma poética – inspirados pelo modo como Calvino o faz – é uma maneira de colocar em perspectiva e de sensibilizar para o quanto viver em sociedade significa troca entre indivíduos complexos e repletos de subjetividades. As Cidades Invisíveis chama o espectador para atos de reflexão a partir de suas memórias, a fim de que perceba a complexidade das “cidades” que crescem dentro de cada um. 

 

Projeto realizado com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura - Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba. Incentivo: Divesa e Banco do Brasil. Apoio: Movimento Enxame - Espaço de Criação, Padaria América, Missê Mariá Comida e Arte, A Caiçara e Café do Teatro.

SERVIÇO

As Cidades Invisíveis

De 10 a 27 de Maio  

Local: Teatro Cleon Jacques

(Rua Mateus Leme, 4700 - São Lourenço) 

Sextas, Sábados, Domingos e Segundas às 20h. 

Sextas e Segundas também às 10h.

Sábados e Domingos também às 16h. 

Entrada Franca

* limite de 40 pessoas por sessão.

Informações: 41 9 99149190. mabittencourt@hotmail.com



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Jorge Marcondes

Jorge Marcondes

Coluna Papo de Piá


Sabrina Matos

Sabrina Matos

Sabrina Matos




Mais lidas
Algumas novidades!

Algumas novidades!

Novidades da semana


Guitarrista Torcuato Mariano lança "Escola Brasileira"

Guitarrista Torcuato Mariano lança "Escola Brasileira"

Sexto álbum solo do instrumentista vai do samba-jazz à bossa nova e reúne convidados


DJ inglês Adam Shelton em Curitiba neste sábado (20)

DJ inglês Adam Shelton em Curitiba neste sábado (20)

Ingressos à venda para o show do DJ que é figura carimbada nas maiores festas do planeta


Arraiá no MON reúne grupos de forró, atividades gratuitas para as crianças,  gastronomia típica e 50 torneiras de chope

Arraiá no MON reúne grupos de forró, atividades gratuitas para as crianças, gastronomia típica e 50 torneiras de chope

O evento, que é considerado a maior festa julina da cidade, reunirá gastronomia para toda a família.


Janine Mathias abre show do Baco Exu do Blues em Curitiba

Janine Mathias abre show do Baco Exu do Blues em Curitiba

A cantora vai apresentar o show do álbum “Dendê”, lançado em 2018


Escola de idiomas de Pinhais promove minicurso de inglês.

Escola de idiomas de Pinhais promove minicurso de inglês.

O minicurso gratuito tera a duração de três dias, tendo dinamicas e varias atividades para divertir os alunos.




Mais notícias desta categoria


Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)