Sábado, 10 de março de 2018, 10:04 h - Atualizado em 10/03, 10:11 h

Jorge Amado

Uma parte da identidade brasileira

Marcos Silva:Cultura
Autor: Redação
Foto: Divulgação.

Jorge Leal Amado de Faria (10.08.1912 — 06.08.2001) foi o mais famoso, lido e traduzido escritor brasileiro. As adaptações de seus trabalhos para cinema, teatro e televisão ( Dona Flor e seus Dois Maridos, Tieta, Tenda dos Milagres, Gabriela Cravo e Canela, etc..) ajudaram a fixar a própria imagem do Brasil. Em 1994 recebeu o Prêmio Camões pelo conjunto de sua obra. Esta é uma premiação instituída em conjunto pelos governos de Portugal e Brasil, que desde 1988 destaca autores que tenham contribuído para o enriquecimento do património literário e cultural da língua portuguesa.

Jorge Amado participou intensamente da construção da identidade brasileira (social e política).  Muito jovem começou a trabalhar em jornais em Salvador e participar da vida literária, sendo um dos fundadores da Academia dos Rebeldes (grupo de jovens que atuava na renovação da literatura baiana). Foi militante do Partido comunista do Brasil e exilado nos anos de 1941 e 1942 (Argentina e Uruguai), e novamente de 1947 a 1952 (França e República Checa). Foi eleito (1945) membro da Assembléia Nacional Constituinte, na legenda do Partido Comunista Brasileiro (PCB), tendo sido o deputado federal mais votado do Estado de São Paulo, e o autor da lei, ainda hoje em vigor, que assegura o direito à liberdade de culto religioso.

Recebeu inúmeros prêmios nacionais e internacionais. Foi homenageado com títulos de Comendador e de Grande Oficial, nas ordens da Venezuela, França, Espanha, Portugal, Chile e Argentina. É Doutor Honoris Causa em 10 universidades, no Brasil, na Itália, na França, em Portugal e em Israel. Sendo o último que recebeu de Doutor pela Sorbonne, na França, em 1998. Suas obras foram editadas em 55 países e traduzida para 49 idiomas.

Pelo contexto total  a sua obra é uma das mais significativas da moderna ficção brasileira. Considerado um Modernista da segunda fase, mais ligado ao regional. Em seus textos sempre buscou retratar a essência das raízes nacionais, o folclore, e principalmente as questões sociais: injustiças sociais,  política, as crenças e religiosidade, e a sensualidade. É possível encontrar traços do Realismo Fantástico, movimento literário latino-americano, como em seu romance de 1966 Dona Flor e seus dos maridos.

http://www.jorgeamado.org.br

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jorge_Amado

Algumas obras:

O País do Carnaval, romance (1931)

Cacau, romance (1933)

Suor, romance (1934)

Jubiabá, romance (1935)

Mar morto, romance (1936)

Capitães da areia, romance (1937)

A estrada do mar, poesia (1938)

ABC de Castro Alves, biografia (1941)

O cavaleiro da esperança, biografia (1942)

Terras do Sem-Fim, romance (1943)

São Jorge dos Ilhéus, romance (1944)

Bahia de Todos os Santos, guia (1944)

Seara vermelha, romance (1946)

O amor do soldado, teatro (1947)

O mundo da paz, viagens (1951)

Os subterrâneos da liberdade, romance (1954)

Gabriela, cravo e canela, romance (1958)

A morte e a morte de Quincas Berro d'Água, romance (1959)

Os velhos marinheiros ou o capitão de longo curso, romance (1961)

Os pastores da noite, romance (1964)

O Compadre de Ogum, romance (1964)

Dona Flor e Seus Dois Maridos, romance (1966)

Tenda dos milagres, romance (1969)

Teresa Batista cansada de guerra, romance (1972)

O gato Malhado e a andorinha Sinhá, historieta infantojuvenil (1976)

Tieta do Agreste, romance (1977)

Farda, fardão, camisola de dormir, romance (1979)

Do recente milagre dos pássaros, contos (1979)

O menino grapiúna, memórias (1981)

A bola e o goleiro, literatura infantil (1984)

Tocaia grande, romance (1984)

O sumiço da santa, romance (1988)

Navegação de cabotagem, memórias (1992)

A descoberta da América pelos turcos, romance (1994)

O milagre dos pássaros, fábula (1997)

Hora da Guerra, crônicas (2008)

 

 

Para sempre ler.

 

Marcos Silva colunista aos sábados -  email: Marcosgeovano@hotmail.com

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade do autor.

Colunas anteriores também aqui: clique



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Aninha Pazinatto

Jorge Marcondes

Jorge Marcondes

Coluna Papo de Piá




Mais lidas
Enfim, as escolas nascentes?

Enfim, as escolas nascentes?

Mais um texto da série especial


Espetáculo "Em casa a gente conversa" traz Cássio Reis e Juliana Knust

Espetáculo "Em casa a gente conversa" traz Cássio Reis e Juliana Knust

Peça aborda problemas rotineiros do casamento em duas apresentações no Teatro Regina Vogue


II Mostra Intermunicipal Mulheres na Ciência: exposições estão abertas

II Mostra Intermunicipal Mulheres na Ciência: exposições estão abertas

É a segunda vez consecutiva que o município de São José dos Pinhais realiza um evento dessa proporção.


Roger Waters: O gênio criativo do Pink Floyd em Curitiba

Roger Waters: O gênio criativo do Pink Floyd em Curitiba

Combinando clássicos do Pink Floyd, algumas canções novas e trabalho solo, o astro britânico desembarca na cidade no próximo dia 27 de outu


Câncer de Pâncreas é na maioria das vezes é diagnosticada de forma tardia

Câncer de Pâncreas é na maioria das vezes é diagnosticada de forma tardia

Por isso apenas 15 a 20% dos pacientes são candidatos à cirurgia com potencial de cura.


Vida de CHICO XAVIER em superprodução musical  “Um Cisco” estreia no Guairão

Vida de CHICO XAVIER em superprodução musical “Um Cisco” estreia no Guairão

A trama se desenvolve numa estação de trem, onde a vida do médium é narrada desde os seus 4 anos de idade até a sua morte, aos 92 anos.




Mais notícias desta categoria


Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)