Segunda, 09 de outubro de 2017, 00:00 h - Atualizado em 09/10, 00:00 h

Recursos do Imposto Sindical serão aplicados no combate ao trabalho escravo e infantil

Acordo entre centrais sindicais, Ministério do Trabalho, AGU e Caixa foi mediado pelo MPT

Redação:Cidades
Autor: Redação
Foto: Divulgação.

Com a mediação do Ministério Público do Trabalho (MPT), foi fechado nesta quinta-feira (5), acordo para devolução de recursos do imposto sindical que deixaram de ser repassados pelo governo federal a centrais sindicais, federações e até alguns sindicatos. O termo de mediação foi assinado por sete centrais sindicais, o Ministério do Trabalho, a Caixa Econômica Federal (CEF), a Advocacia-Geral da União (AGU) e o MPT. O montante da dívida ainda será apurado pelo ministério, mas, pelo acordo, as centrais concordaram em destinar 15% do total para ações de combate ao trabalho escravo e ao trabalho infantil.

As centrais sindicais identificaram que, entre 2008 e 2015, houve retenção, por parte do governo federal, de parte da contribuição sindical devida. O presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), afirmou que um levantamento preliminar, com apenas seis sindicatos, encontrou um débito de R$ 16,5 milhões, além de grande distorção entre o que era pago aos sindicatos e às centrais.

Por isso, as centrais procuraram o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, para cobrar a dívida e também o procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, para mediar a negociação entre os sindicalistas e o governo. Fleury conversou com Nogueira e marcou a primeira audiência de negociação na última semana de setembro. Em nova audiência, realizada nesta quinta-feira, chegou-se ao acordo com a assinatura do termo de mediação. A previsão é de que os primeiros valores sejam identificados nos próximos 30 dias.

"O acordo traz o que é mais importante no direito social, no direito do trabalho, que é a pacificação social. Havia uma demanda por parte das centrais e uma necessidade de reposta por parte do governo. E quero agradecer, em nome do MPT e da sociedade a disposição das centrais de abrirem mão de 15% do total a que terão direito, em prol da fiscalização do trabalho escravo e infantil", disse Fleury. " Não temos informação ainda do montante, mas já sabemos que são valores significativos. E parte desse valor vai para programas de assistência a crianças retiradas do trabalho infantil, seriamente ameaçados na proposta orçamentária de 2018."

O ministro do Trabalho ressaltou a importância da atuação do MPT na mediação e disse que o grupo de trabalho fará uma nova portaria estabelecendo os ritos para o pagamento da dívida para com as entidades sindicais. "Com a mediação, houve pacificação de entendimento. Quero enaltecer o gesto das centrais sindicais que abrem mão de parte dos recursos para investir no combate ao trabalho escravo e infantil."

Entre os pontos acordados, está o compromisso do Ministério do Trabalho de fazer, junto com a CEF, o levantamento dos valores que não foram repassados às entidades sindicais. O primeiro ato será a revogação de uma portaria que paralisou a tramitação de cerca de 500 processos de restituição. Segundo Nogueira, a análise será retomada e a restituição obedecerá a ordem cronológica para o pagamento.

As centrais irão participar do grupo de trabalho, formado por técnicos do Ministério do Trabalho, CEF e AGU, para a elaboração de uma nova portaria que disciplinará a forma de pagamento dos valores retidos. Além de encaminhar 15% do valor a que têm direito para ações de fiscalização do trabalho escravo e infantil, as centrais e entidades sindicais que aderirem ao acordo, também se comprometem a não buscar reparação civil e criminal dessa dívida na Justiça.

Segundo o presidente da Força Sindical, o acordo é importante porque não é "simples" entrar na Justiça conta a União e cobrar uma dívida que ele estima ser muito elevada e demoraria a ser paga. "Pelo acordo, os repasses serão localizados um por um. As entidades abrem mão de 15% para combater trabalho escravo e infantil e abrem mão de entrar na justiça contra a União. E o Ministério do Trabalho, em troca disso, localiza os recursos e repassa imediatamente, através da CEF, às entidades que deixaram de receber", afirmou Paulo Pereira da Silva. "É um acordo histórico que conseguimos fechar para o sindicalismo brasileiro."

 



Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:



Colunista do dia
Amanda Lyra

Amanda Lyra

Clave do som


Tacy de Campos

Tacy de Campos

Coluna Tacy de Campos




Mais lidas
Teatro Sesi recebe o espetáculo Vigiar e Punir, com entrada franca

Teatro Sesi recebe o espetáculo Vigiar e Punir, com entrada franca

Manipulação de bonecos coloca Foucault em cena


MS Trade Show acontece em agosto em Curitiba

MS Trade Show acontece em agosto em Curitiba

Feira exclusiva para os segmentos custom, performance e acessórios automotivos com objetivo de networking, lançamentos e geração de negócio


Duo Santoro, José Staneck e Ana Letícia Barros brilham na Argentina no fim de junho

Duo Santoro, José Staneck e Ana Letícia Barros brilham na Argentina no fim de junho

Gêmeos violoncelistas, gaitista e percussionista apresentarão o espetáculo “Do Clássico à Bossa Nova”, em Córdoba, no domingo, 24 de junho,


Prefeito assina Decreto que autoriza cota de pagamento de passagem de ônibus em dinheiro

Prefeito assina Decreto que autoriza cota de pagamento de passagem de ônibus em dinheiro

A partir desta quinta-feira até 5% dos usuários poderão pagar a passagem em dinheiro


Desde a escola

Desde a escola

Ex nihilo nihil fit, pois do nada, nada surge


Previdência Social: mexeram na minha pensão!

Previdência Social: mexeram na minha pensão!

Qual seria o valor do benefício a receber?




Mais notícias desta categoria


Voltar ao topo©Squarebits Software 2016. (Heroku)