Quinta, 10 de maio de 2018, 09:07 h - Atualizado em 10/05, 09:09 h

Viva rápido e morra jovem

Um pouco sobre a vida e obra meteórica de James Dean, um dos maiores ícones pop do cinema




Foto: Divulgação.

James Dean morreu da mesma forma que viveu, rapidamente e de forma dramática. Paradoxalmente, o ator consagrou-se no cinema após a tragédia que tomou sua vida, precisamente ás 17h45min de 30 de setembro de 1955, enquanto dirigia um Porsche 550 Spyder prateado, apelidado de Little Bastard (Pequeno Bastardo).O acidente aconteceu na interseção de duas estradas estaduais, perto da cidade de Cholame, na Califórnia, a 300 km de Los Angeles. O veículo de Dean bateu de frente em um Ford Tudor branco, conduzido por um estudante chamado Donald Turnupseed, que saiu ileso.

Enquanto isso, no mesmo dia, esgotavam os ingressos para a estréia no cinema de Juventude Transviada, que ocorreu menos de um mês depois da fatalidadeApós sua morte, com menos de um ano de Hollywood, um carreira promissora e um fim extremamente precoce, Dean transformou-se em uma lenda da cultura pop.

Seu filme “Vidas Amargas”, adaptado da obra de John Steinbek, sucesso nas telas na época, trazia Dean na carne de um jovem que disputava com irmão o amor do pai. Em “Juventude Transviada” (1955), ele é Jim Starck e retrata com intensidade a rebeldia e angustia de uma geração. Já em “Assim Caminha a Humanidade” (1956), interpreta um peão ambicioso do Texas que acompanha a transformação do Estado com a descoberta do petróleo, e foi o último filme do ator. Há um intríseco tormento nos seus personagens. Não viveu para ver o lançamento destes filmes. Antes de Hollywood, Dean fez peças como Macbeth (1950), “See The Jaguar” e “O Imoralista”, onde interpreta um homossexual. Apesar do fracasso da peça, a crítica recebeu bem a atuação de James e o fez ganhar o Tony Award de Melhor Ator do Ano. Nas participações em TV, fez “Baionetas Caladas”, seu primeiro filme e “O Marujo Foi na Onda” (1951). Em 1952, atuou em “Sinfonia Prateada” e com um pequeno papel em “Atalhos do Destino” (1953). Contracenou com atores como Elizabeth Taylor, Rock Hudson, Dennis Hoper, Natalie Wood, Corey Allen,Mercedes McCambridge, entre outros. Foi indicado a dois Oscar e ganhou dois Globos de Ouro de Melhor Ator, todos póstumos.

Aplicado e introspectivo, o menino James Byron Dean nasceu em 8 de fevereiro de 1931, no interior de Indiana (EUA). Filho único, já com oito anos sapateava e tocava violino. Seu nome foi uma homenagem materna ao poeta inglês Lord Byon. Depois que a mãe morreu de câncer, o pai abriu mão de criá-lo e mandou-o para a fazenda dos tios. Iniciou os estudos teatrais com 14 anos na Fairmount High School, em Fairmount. Aos 18, aprimorou-se na Santa Monica College e em seguida transferiu-se para a Universidade da Califórnia (UCLA), em Los Angeles, no curso de especialização de teatro. Abandonou a faculdade e mudou-se para Nova Iorque afim de cursar o lendário “Actor's Studio” de Lee Strasberg. Para se manter nos estudos, Dean fez bicos de garçom e cobrador de ônibus. Costumava dizer que “a gratificação vem ao fazer, não com os resultados”.

 

Longe dos sets,tinha uma vida social agitada, regada a bebida e cigarros. Namorou a bela atriz Pier Angeli, um grande amor seu, mas a relação não deu certo e ela o trocou pelo cantor Vic Damone. Mas sua maior paixão eram carros potentes e alta velocidade. Adorava e sempre participava de corridas. Ao filmar “Vidas Amargas”, precisou assinar uma clásula de contrato que o proibia de correr até o fim das filmagens. Era fã do astro Marlon Brando e inclusive tentava imitar seus maneirismos. Decepcionou-se com o ídolo após um comentário infeliz de Brando, quando se encontraram, sobre suas calças jeans surradas e camisas de botão.

No dia fatídio, Dean viajava para uma corrida de carros em Salinas, junto com o mecânico alemão Rolf Wütherich. Testemunhas alegam que ele não estava correndo no momento do acidente e que o outro carro poderia estar rápido. Contudo, o crepúsculo e o brilho do sol poente podem ter impedido Turnupseed de ver o Porshe chegando. Wütherich ficou gravemente ferido, mas se recuperou e nunca mais tocou no assunto, bem como jamais superou o acidente, tentando o suicídio duas vezes ao longo da década de 60. Morreu em 1981, dirigindo embriagado.Existem também histórias envolvendo peças do carro de Dean, que foram parar em outros automóveis, que também acabaram envolvidos em outros acidentes fatais.

Hoje, mais de 60 anos depois, James Dean continua sendo usado como exemplo e referencial em Hollywood, tornando-se um ícone de gerações e encantando com seus filmes, como se pudesse viver além, para sempre. Sua frase mais célebre era: “Sonhe como se fosse viver eternamente. Viva como se fosse morrer amanhã”.

 

 

 




Envie o seu comentário


Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia:


Colunista do dia
Julio Borges

Julio Borges

Artes Marciais


Tiomkim

Tiomkim

Coluna Tiomkim




Mais lidas
Espetáculo faz homenagem à vida de Carmen Miranda

Espetáculo faz homenagem à vida de Carmen Miranda

“O que é que a Maria tem?” será apresentado nos dias 18 e 19 de maio, às 16h, no Teatro Sesi Portão, com ingressos a partir de R$ 10


Deixa o povo amar como e quem quiser

Deixa o povo amar como e quem quiser

Uma carta contra o preconceito


CASACOR Paraná promove festa de lançamento do Anuário 2018

CASACOR Paraná promove festa de lançamento do Anuário 2018

A edição de 2018 da CASACOR Paraná aborda o tema “Casa Viva”.


Com a chegada do frio, Agência do Trabalhador de SJP abre mais cedo

Com a chegada do frio, Agência do Trabalhador de SJP abre mais cedo

A medida, segundo do diretor da Agência do Trabalhador Vilson Marques, será adotada até o fim do inverno




Mais notícias desta categoria



CUIDADOS COM A PELE NO INVERNO

CUIDADOS COM A PELE NO INVERNO

Destaque da Semana

Domingo, 29 de abril de 2018, 18:28 h

A mini diva Lívia Maria comemora seu primeiro aninho

A mini diva Lívia Maria comemora seu primeiro...

Fofurete da semana

Domingo, 29 de abril de 2018, 10:16 h


Voltar ao topo©Squarebits Software 2016.