Museu do Holocausto repudia empresária de Curitiba que quer ‘marcar’ pessoas a favor de isolamento

Museu
Foto: Divulgação

Em outro trecho, a nota sugere que falas como a da empresária de Curitiba são perigosas e precisam ser combatidas.

Por: Banda B

De acordo com a nota oficial, “o uso de “fitas vermelhas” ou afins para identificar cidadãos contrários ao seu ponto de vista, independente do contexto, guarda similaridade com os decretos que impunham a identificação dos judeus por meio de insígnias. Marcar o outro, quem quer que ele seja, é uma forma de estigmatizar, humilhar e retirar da sociedade (e, consequentemente, de seus direitos associados) estas pessoas. No caso dos decretos nazistas, foi um passo importante que levou ao posterior extermínio da população judaica”.Em outro trecho, a nota sugere que falas como a da empresária de Curitiba são perigosas e precisam ser combatidas. “O nazismo não se iniciou com campos de extermínio, nem mesmo com suásticas espalhadas pelas ruas. Para que isso fosse possível, ideias e concepções deturpadas de humanidade eram divulgadas. Encará-las como normais e aceitáveis é um perigoso flerte com noções que tanto mal causaram à humanidade. Analogias implícitas são perigosas e precisam ser combatidas. Por isso, o Museu do Holocausto de Curitiba, diante de seu papel social, repudia veementemente as declarações de Cristiane Deyse Oppitz”, diz.

Clique abaixo e confira a nota publicada na íntegra pelo Museu Holocausto no Facebook:

https://m.facebook.com/MuseuShoaCuritiba

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui